Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Beijos e abraços

O brasileiro é expansivo mas tem um certo pudor de mostrar seus sentimentos. Somos da terra do "dá cá um abraço" mas também temos nossas hesitações afetivas. O meio-termo encontrado é o insulto carinhoso.

Luis Fernando Verissimo,

30 de junho de 2013 | 02h13

- Seu filho da mãe!

- Seu cafajeste!

São dois amigos que se encontram.

- Só me faltava encontrar você. Estragou meu dia.

- Este lugar já foi mais bem frequentado...

Depois dos insultos, os brasileiros se abraçam com fúria. E os sonoros tapas nas costas - outra instituição nacional - chegam ao limite entre a cordialidade e a costela partida. Eles se adoram, mas que ninguém se engane. É amor de homem, estão pensando o quê?

0 0 0

Quanto maior a amizade, maior a agressão. E você pode ter certeza que dois brasileiros são íntimos quando põem a mãe no meio. A mãe é o último tabu brasileiro. Você só insulta a mãe dos seus melhores amigos.

- Sua mãe continua na zona?

- Aprendendo com a sua.

- Dá cá um abraço!

E lá vêm os tapas.

Um estrangeiro despreparado pode levar alguns sustos antes de se acostumar com a nossa selvageria amorosa.

- Crápula!

- Vigarista!

- Farsante!

- My God! Eles vão se matar!

Não se matam. Se abraçam, às gargalhadas. Talvez ensaiem alguns socos nos braços ou simulem diretos nos queixos. Mas são amigos.

0 0 0

Os franceses não se abraçam mas se beijam, e não apenas quando estão se condecorando. Mas dois franceses só chegam ao ponto de se beijarem no fim de um longo processo de desformalização do seu relacionamento que começa quando um propõe ao outro que abandonem o "vous" e passem a se tratar por "tu". Até o passo ser dado o cumprimento entre os dois jamais passara de um seco aperto de mãos. Os russos se beijam com qualquer pretexto e dizem que a progressão, lá, não é do aperto de mão para o abraço e o beijo mas de beijos protocolares para beijos cada vez mais longos e estalados. Os anglo-saxões são mais comedidos e mesmo os americanos, que são ingleses sem barbatana, reagem quando você, esquecendo onde está, ameaça abraçá-los. Ninguém mais informal do que um americano, ninguém mais antifrancês na velocidade com que chega à etapa equivalente ao "tu" sem nenhum ritual intermediário, mas a informalidade termina aí. Até o nosso hábito de bater no braço do outro quando se aperta a sua mão, aquela amostra grátis de abraço, eles estranham.

Tapas nas costas, então, nem pensar.

Tudo o que sabemos sobre:
Luis Fernando Verissimo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.