Divulgação
Divulgação

BBC HD chega ao Brasil e aposta na vida selvagem

Recém-lançado, canal também prevê a série sobre a fauna brasileira 'The Wild Brasil' para 2014

ALLINE DAUROIZ - O Estado de S.Paulo,

19 de junho de 2012 | 03h09

Presente no Brasil, via rádio, desde 1938, a rede britânica BBC demorou a ter no País um canal próprio para escoar suas milhares de produções de entretenimento, entre documentários, séries de ficção e reality shows, comercializados pelo mundo todo. Mas agora, com o recém-lançado BBC HD - canal presente nos pacotes mais caros da Net (e, ao menos nos próximos quatro meses, exclusivo da operadora), pretende recuperar o tempo perdido. Pelo menos nesse início em terras brasileiras, o canal terá a maior parte da grade voltada à vida selvagem e documentários sobre ciência e culturas. E há uma razão para isso. "Nossa audiência, em qualquer parte do mundo, é aficionada pelos documentários", disse o produtor executivo Tim Scoones.

Há 20 anos dedicado a programas de vida selvagem, Scoones é também responsável pela maior aposta do canal para capturar a audiência brasileira neste primeiro mês de vida: a série Planet Earth Live, um docu-reality que demandou custos da ordem de US$ 7 milhões, para uma produção de apenas um mês - e que aqui estreia hoje, às 20 horas.

Ideia que demorou dez anos para sair do papel e 18 meses para ser preparada, Planet Earth Live mostra a rotina pela sobrevivência de seis filhotes de diferentes espécies, em maio passado, tido como mês crítico em vários continentes, pelos eventos climáticos e biológicos associados à primavera no Hemisfério Norte e ao outono no Sul. São famílias de elefantes e de leões, no Quênia; de ursos-negros, em Minessota, nos EUA; de macacos, no Sri Lanka; de suricatos na África do Sul; e de baleias-cinza no Pacífico.

A audácia da série está no fato de que, no Reino Unido, ela foi exibida quase ao vivo, com cinegrafistas e apresentadores interagindo com alguns dos animais. Lá, porém, esse "quase ao vivo" gerou críticas, já que a propaganda anunciava "imagens em tempo real de criaturas magníficas" e pouco tempo foi dedicado a imagens realmente ao vivo.

Aqui, porém, a série já chega devidamente editada, em seis episódios (no ar às terças e quintas), com belas imagens e muito apelo dos reality shows. "Não é o Big Brother, mas também parece uma novela, com drama e cenas de bastante emoção", explica Scoones. "Contamos um mês de história na vida desses animais, mas o roteiro foi a natureza quem escreveu. É um reality show sem celebridades fake."

The Wild Brasil. Com apenas três semanas de existência, o BBC HD já entra no País com a obrigação de cumprir a nova lei da TV paga (Lei n.º 12.485/11), que prevê exibição de conteúdo nacional feito por produtora independente em horário nobre a partir de setembro. Por enquanto, a BBC conversa com as produtoras Mixer e Bossa Nova Films, mas segundo executivos do canal, nos últimos meses aumentou a procura por produtoras brasileiras interessadas em firmar parcerias com a rede.

O único projeto fechado até agora é com a Bossa Nova, na série The Wild Brasil, prevista para janeiro de 2014, com três episódios de uma hora. "Já estamos gravando na caatinga do Piauí e, em breve, vamos para o Cerrado, para o Pantanal e Amazônia", conta o produtor da Unidade de História natural da BBC, Joe Stevens, que mora no Brasil.

Segundo Tim Scoones, não se trata de um reality, mas de uma série selvagem tradicional e, apesar de retratar a natureza de locais batidos, a produção vai fugir dos clichês. "Jacarés do Pantanal, todo mundo já viu aos montes. Mas estamos investindo em qualidadade, em câmeras que ficam estáveis na proa dos botes, aviões e helicópteros. Vamos poder segui-los rio abaixo e nos aprofundar em espécies que nem mesmo os braileiros conhecem direito, além de poder divulgar o trabalho dos cientistas do País", garante Scoones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.