BBB no divã

Especialistas discutem por que o público ama odiar o reality

ALLINE DAUROIZ, O Estado de S.Paulo

08 de janeiro de 2012 | 03h10

Quando fazia sua tese de doutorado pela Universidade Autônoma de Barcelona, em 2003 - que viraria o livro Por Que os Reality Shows Conquistam Audiências? (Ed. Paulus) -, a especialista em TV e conteúdos digitais Cosette Castro percebeu um fato curioso: quanto maior a escolaridade do entrevistado, mais ele jurava que não assistia a esse tipo de programa, mas era comum que essa mesma pessoa soubesse quem é o "eliminado" da semana ou qual a maior polêmica do reality show da vez.

O paradoxo não é restrito à Espanha. Nesta terça, quando a Globo estrear a 12.ª edição do Big Brother Brasil, às 22h15 (confira os novos participantes acima), enxurradas de manifestações inundarão de críticas os botequins e redes sociais. Críticas seguidas pela última frase de Pedro Bial ou por um xingamento ao vilão da temporada. Por que, então, as pessoas amam odiar o BBB, nosso reality de maior alcance e longevidade?

"Esse tipo de programa é marginalizado, relacionado à baixa cultura. As pessoas têm vergonha de dizer que assistem. É a hegemonia do saber da classe alta contra o saber popular", teoriza Cosette, professora de pós-graduação em Comunicação da Universidade Católica de Brasília.

Segundos especialistas, no Brasil, o sucesso do formato está ligado não só à curiosidade pela vida alheia, mas à edição, com elementos como amor, ódio, ciúme, competição, sexo e solidariedade, que fazem o êxito de qualquer história.

Com 35 anos de estudo e trabalho nos bastidores da TV, Gabriel Priolli, ex-diretor de programação da Cultura e hoje produtor independente, lembra que os participantes são, desde o início, convertidos em personagens.

"Um espectador criado numa cultura telenovelesca evidentemente fica fascinado pelo BBB. Mas assim como acontece com os noveleiros, desvalorizados socialmente pela 'perda de tempo' com um material audiovisual supostamente menor e idiotizante, o público do BBB não consegue assumir plenamente sua paixão pelo programa", acredita Priolli. "Fazem o jogo do 'assisto, mas falo mal'. Reclamam de uma TV de maior nível cultural, mas não a assistem, pois, caso a assistissem, as emissoras públicas liderariam a audiência."

Já para o sociólogo, jornalista e professor de Comunicação da USP Laurindo Leal Filho, quem assiste mesmo não gostando o faz por falta de opção. "Além do apelo por algo inusitado, expectativa criada pela previsibilidade da programação de TV, num país com baixo nível de leitura e possibilidades reduzidíssimas de diversão e entretenimento de baixo custo, a TV reina soberana, apesar de não agradar a todos", afirma.

Recordista brasileiro em participação em reality shows - e em polêmicas -, Alexandre Frota fez parte da primeira e mais vista Casa dos Artistas, e de duas versões lusitanas: A Fazenda e Primeira Cia. Na Record, idealizou, produziu e dirigiu A Fazenda e, agora, no SBT, prepara o reality de casais Vivendo com o Inimigo. Perito no assunto e em receber críticas, Frota acredita que as novas mídias ajudam no êxito do formato.

"A chave do sucesso, entre outras coisas, é esse julgamento. Tudo está em questionamento: aparência física, caráter, ética, vivência, oportunidades, moral, cultura e a polêmica. Então, falem, critiquem, discutam, mas assistam."

Mayara, 23 anos

Arte educadora | SP

Projetista | RJ

Rafa, 35 anos

Jakeline, 22 anos

Estuda Zootecnia | BA

Pecuarista | GO

João Maurício, 34

Kelly, 28 anos

Assist. comercial | MG

Modelo | RS

Jonas, 25 anos

Fernanda, 29 anos

Empresária | RJ

Vendedor | SP

Ronaldo, 31 anos

Laisa, 23 anos

Estuda Medicina | RS

Rep. comercial | MG

João Carvalho, 46

Renata, 21 anos

Estuda Psicologia | MG

Prof. de Muay Thai | GO

Yuri, 26 anos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.