Batuque eletrônico, misturas dançantes e menos sutileza

A principal conexão de Adobró com Diminuto é a balada-reggae Tantinho, não por acaso a única desse álbum a entrar no roteiro do show Romântico Ambiente. Foi lançada como "música de trabalho" na Espanha, quando Brown participou de um festival em Madri. De lá para cá, é o tipo de canção que pode pegar como tema de verão. Até porque o álbum todo tem esse ar festivo, dançante, carnavalesco, próprio da imagem à qual brasileiros e europeus associam Carlinhos Brown, desde suas investidas no "serviço de animação popular" que caracteriza a chacrinha da Timbalada.

Lauro Lisboa Garcia, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2010 | 00h00

Aqui ele deixa de lado o violão que toca em Diminuto e mete a mão no couro. É tudo mais encorpado, enfático, exacerbado. Misturando batucada e eletrônica, candomblé e música de rua, afrobeat, batidas de matriz árabe e música de pista, é receita para gringo cair de quatro.

Ao longo dos anos, Brown naturalmente veio se aprimorando nessa questão orgânico-eletrônico, e faz inovações com pé na cozinha brasileira e influências externas. A presença de Carl Golembeski, técnico de som de Beyoncé, portanto, como ele diz, seria meramente casual. A personalidade de Brown como percussionista de mão cheia prevalece. A faixa mais interessante é Bahioka Funk, que, como sugere o título, mistura Bahia e funk carioca. Com um bom remix, o batidão deve enlouquecer os ravers em Ibiza, como já aconteceu com Maria Caipirinha e Magalenha. Faixas como Tastatá (espécie de house axé) e outras com letras em inglês também têm grande apelo internacional. O ritmo e a diversão falam mais alto do que qualquer sutileza melódica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.