Wilton Junior/AE
Wilton Junior/AE

Batalha sem fim pelo passado

Do século 18, casa de Julia Mann em Paraty vive impasse legal

Raquel Cozer, O Estado de S.Paulo

09 Agosto 2011 | 00h00

ENVIADA ESPECIAL/ PARATY

Ao lado de luxuosa marina a 8 km de Paraty, a única casa de fazenda do século 18 remanescente à beira mar na região vive situação calamitosa: paredes tomadas por mofo, vigas de madeira apodrecidas e telhado invadido por mato, chegando a formar cipós. Por frestas, vê-se que o interior virou um depósito de entulho.

Veja também:

link Diálogo e influência de culturas

Não bastasse a importância patrimonial, o descaso chama a atenção pela relevância cultural do chamado Engenho Boa Vista. Lá viveu a mãe de dois dos maiores escritores alemães do século 20, Heinrich (1871-1950) e Thomas Mann (1875-1955) - e cada vez mais especialistas estudam os reflexos dessa ascendência brasileira na formação dos dois autores.

Nascida numa viagem entre Angra dos Reis e Paraty, Julia da Silva Bruhns (1851-1923) passou os sete primeiros anos de vida na casa, antes de ser levada à Alemanha. Filha de comerciante alemão e de brasileira descendente de portugueses, ela legou aos filhos memórias por escrito do lugar que chamava de "paraíso".

Por muito tempo, a história da casa foi desconhecida. Até que, em 1997, o escritor Frido Mann, neto de Thomas, iniciou esforços para construir um centro cultural no local. Criou a Associação Casa Mann, que chegou a realizar evento na propriedade, mas, oito anos depois, entregou os pontos. "Em 2005, desistimos do projeto", diz Paulo Soethe, professor da UFPR, que integrava a associação. "A situação legal da casas era complicada. Não seria possível fazer nada como pessoa física ou associação. Entendemos que era questão de Estado."

Naquela época, Amyr Klink, comodatário do terreno onde fica a casa, tinha planos para o local. O navegador, que mantém logo ao lado a Marina do Engenho, estudava instalar ali sua escola de navegação para jovens carentes. Impasses com órgãos como Ibama e Iphan impediram a implantação do Projeto Escola Mar, transferido para Santa Catarina.

Três anos atrás, o professor de literatura da UFF e da Uerj Johannes Kretschmer retomou o projeto do centro cultural. Desse movimento resultou colóquio que acontece neste mês (leia abaixo). Kretschmer hoje conversa com a Secretaria de Estado da Cultura do Rio e o Consulado Geral da Alemanha no Brasil - e entende os obstáculos encontrados pelo neto de Thomas Mann. "A questão legal é muito obscura."

Há mais de uma década, o terreno da casa pertencia à Serrana Empreendimentos. Em 2001, a empresa Arbeit adquiriu a Serrana junto com um grupo suíço. A casa veio, por assim dizer, de brinde - não havia interesse específico na construção, diz o presidente da Arbeit, Oscar Muller.

Com a saída dos investidores suíços do País, a Arbeit tornou-se em 2008 a única dona do casarão. Desde então, estuda alternativas para a ocupação, que passam ao largo dos planos acalentados por Frido e Kretschmer. "A implantação de um centro cultural no casarão não se sustenta", diz Muller, que planeja uma marina de "padrão internacional". Segundo ele, um contrato até já foi fechado. O empresário diz estar "estudando" a manutenção do contrato com Klink para a área da marina e a possibilidade de "reassumir a posse do casarão". "Implantar no local uma pousada/bangalôs com um restaurante também já demonstra viabilidade econômica", especula.

Para aumentar o burburinho, há pouco espalhou-se em Paraty a notícia de que a empresa proprietária havia falido e que a casa iria a leilão. Muller nega com veemência. E responsabiliza Amyr Klink pelo mau estado da construção. "O contrato de comodato estabelecia que ele implantasse no local o instituto Projeto Escola do Mar. Amyr só implantou uma marina e transformou o casarão em galpão, hoje em péssimo estado. Por contrato. ele deveria manter o casarão com suas características originais."

Klink afirma que questões contratuais e relativas a órgãos ambientais impediram os restauros. "A conservação é de minha responsabilidade, mas não a reforma. O problema é que a casa está num estado em que conservação não basta. Uma reforma dependia da participação deles e de uma autorização que nunca conseguimos."

O navegador diz que, quando assumiu a fazenda, a casa estava em "completa ruína". "Refiz o piso, pus o telhado, troquei as portas. A parte estrutural, que estava caindo, foi recuperada. Era o máximo que podíamos fazer sem contrariar o Iphan." Cinco anos atrás, ele chegou a orçar o restauro como "deveria ser feito": R$ 1,8 milhão, no mínimo.

Interessados sempre aparecem - até Rogério Fasano planejou lá um restaurante -, mas nada avança. Com Frido, Klink se desentendeu. "Não gostei da forma como ele chegava, com jornalistas, dizendo que ia fazer e acontecer." A briga deu ao navegador a fama de não gostar de um projeto cultural no lugar. "Pelo contrário: essa é a vocação natural da casa", diz.

Mais conteúdo sobre:
Julia MannThomas MannParaty

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.