Imagem Lúcia Guimarães
Colunista
Lúcia Guimarães
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Barra dos Balcãs

Não foi o morador da Rocinha, mas um brutamontes da Barra que ameaçou Marcelo Adnet

Lúcia Guimarães, O Estado de S.Paulo

05 Novembro 2018 | 02h00

Vou arriscar descrever um desconhecido. Acho que é um homem branco de mais de 50 anos. Pode ou não ter perdido o emprego na recessão da Dilma, mas dificilmente mora numa favela. Seus filhos não tiveram que se atirar no chão para evitar balas perdidas na escola. Não sei o nome dele, sei apenas que é um covarde.

Pensei no cidadão anônimo ouvindo o relato sobre um estudo feito em 1950 nos EUA. Naquele ano, a Sociedade Americana de Ciência Política constatou que o país sofria de falta de polarização. É isto mesmo. Havia tanto acordo entre o público que se identificava como republicano ou democrata que, os sociólogos concluíram, isto levava à apatia do eleitor, neste país onde o voto não é obrigatório.

Não é preciso encomendar novo estudo para concluir o oposto. A ideia de interesses compartilhados foi substituída por uma balcanização mental em que o objetivo não é a convivência ou a persuasão, mas a destruição do outro. Foi este tribalismo primitivo que animou um senhor a intimidar e expulsar o ator Marcelo Adnet de uma via pública.

O melhor imitador de políticos brasileiros, falsamente acusado de ter forjado uma gravação quando o candidato presidencial vencedor se recuperava do atentado no hospital, teve a audácia de fazer compras num mercado da Barra da Tijuca. A Barra, além de ser o domicílio do novo presidente do Brasil, é o bairro que deu ao nosso anedotário cultural a emergente da Barra, a socialite nova rica, símbolo do consumismo dos anos 1990, quando a explosão imobiliária atraiu para lá moradores dos subúrbios.

Pois o dito estranho, incomodado não se sabe se com a imitação hilariante que Adnet fez de seu candidato ou com a declaração de voto no candidato derrotado que igualmente imitou, fez o odioso sinal de revólver com a mão e gritou para Adnet, “vaza, vagabundo!” Segundo o comediante, o agressor começou a receber adesões e ele foi embora sem chamar a polícia.

Sabemos que o morador da Barra se tornou presidente com vasto apoio de cariocas pobres que antes votavam no ex-presidente encarcerado. Sociólogos e historiadores vão se debruçar sobre o enorme deslocamento expressado nas urnas e examinar diferenças de classe na escolha do candidato. Sabemos que boa parte do eleitorado não quer que ver seus filhos e netos fazendo gesto de arma com os dedinhos e votou por desencanto com políticos tradicionais. Nos Estados Unidos, 8 milhões de eleitores da Barack Obama votaram no atual presidente, em 2016, e é difícil imaginar que o fizeram por simpatia com o racismo nada disfarçado pelo candidato que escolheram.

Não é o morador da Rocinha que se sente incomodado com um comediante. É gente como o brutamontes que acostou o ator no mercado da Barra. Estudos de psicologia social mostram que o prognosticador mais forte de identidade tribal não é convicção política racional ou estresse econômico, é a noção de ter seu status ameaçado. Ele pode ser ameaçado por vários motivos, como costumes ou a emergência do status de um outro racial.

Amanhã, os americanos vão às urnas, na mais importante eleição das últimas décadas. O presidente já jogou a toalha em relação à Câmara, que pode ser retomada pelos democratas e saiu em campanha furiosa para garantir o controle do Senado. Ele continua a governar para a minoria que o elegeu e radicalizou o discurso racial na reta final, inventando uma invasão de refugiados negada até pelo Pentágono.

Num culto de domingo, no Rio, o presidente eleito do Brasil prometeu governar para o país todo. Quem sabe, ao contrário do americano que admira, e por quase ter perdido a vida num atentado, vai se esforçar para desarmar os bullies que dizem agir em seu nome de suas armas imaginárias. Antes que se tornem reais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.