Barenboim e Said vencem Prêmio Príncipe de Astúrias

O pianista e maestro israelense de origem argentina Daniel Barenboim e o ensaísta palestino Edward Said vão repartir o Prêmio Príncipe de Astúrias por sua contribuição à paz mundial. Eles vão receber do príncipe Felipe, herdeiro da coroa espanhola, 50 mil euros, o equivalente a US$ 49.800, e uma escultura de Joan Miró.O júri escolheu a dupla pelos projetos que desenvolvem juntos. Desde o início dos anos 90, Barenboim e Said reúnem jovens músicos israelenses e árabes em oficinas do projeto West Eastern Divan, que já foi levado à Alemanha, aos Estados Unidos e este ano na Espanha. Daniel Barenboim é diretor musical da Orquestra Sinfônica de Chicago e diretor artístico da Ópera do Estado de Berlim. Além destas funções, o maestro já esteve em diversos projetos visando a fomentar o entendimento entre os povos do Oriente Médio.Em sete de julho de 2001, Barenboim conseguiu pôr abaixo um tabu cultural de Israel: a música do compositor alemão Richard Wagner, o favorito de Adolf Hitler. Durante um festival em Jerusalém, ele ofereceu como bis a uma platéia de israelenses a abertura da ópera Tristão e Isolda, de Wagner. Barenboim discutiu com a audiência. "Vocês querem ouvir Wagner?", perguntou ele em hebraico. Meia hora de debates depois, o maestro pediu que os incomodados se retirassem, e recebeu aplausos de pé de cerca de 2 mil pessoas que preferiram ficar no teatro.Este ano, em março, Barenboim foi proibido de dar uma aula magna a músicos adolescentes de Ramallah, na Cisjordânia, pelo exército de Israel. Desde o início da Intifada, há quase dois anos, Israel não permite que seus cidadãos vão a territórios ocupados. "Lamento que a aula não possa ter sido dada, mas creio que o fato de eu estar disposto a ir até lá e eles me receberem é um gesto muito importante", disse Barenboim à época.O ensaísta Edward Said é conhecido pelos livros e textos em que faz uma defesa dos refugiados palestinos. Ele também é professor na Universidade de Columbia, em Nova York. Outras personalidades homenageadas com o prêmio Príncipe de Astúrias em anos anteriores foram o rei Hussein da Jordânia, o ex-presidente espanhol Adolfo Suárez e os músicos Yehudi Menuhin e Mstislav Rostropovich.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.