Banda de Bem Gil lança 2º álbum 'Tono'

Para o guitarrista Bem Gil, hoje com 25 anos, a profissão do pai Gilberto Gil sempre lhe pareceu muito comum. Como se ele fosse um advogado ou um médico. Bem só começou a prestar atenção na música de forma séria já mais velho, aos 17 anos - diferentemente do que acontece com muitos filhos de músicos, que não conseguem vislumbrar outro destino para si. "Viajei muito com meu pai. Ele sempre foi muito presente. Mas só fui pegar no violão aos 17 anos. Não sei por qual motivo. Foi uma coisa da vida. Tive poucos amigos que tocavam em banda", declara Bem.

AE, Agência Estado

20 de dezembro de 2010 | 11h03

Pesou uma espécie de influência às avessas. Afinal, música era o trabalho de seu pai. "Ele nasceu para ser aquilo. Eu não me sentia capaz", diz. Bem seguiu adiante em seus estudos e foi aprovado em geografia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mas a música continuou ali, de alguma maneira, sempre presente. Foi justamente no meio do curso que ele percebeu que não podia mais renegar o que realmente lhe importava. Largou a geografia e partiu para a música.

Passou do violão à guitarra por causa de uma situação inusitada: participou do filme "1972" (lançado em 2006), no qual fazia o papel de um guitarrista, quando ainda não tinha a mínima intimidade com o instrumento. Há 3 anos, começou a acompanhar Gilberto Gil em suas turnês, como o segundo guitarrista da banda do pai.

No ano passado, o rapaz passou a investir na própria banda, batizada de Tono. O grupo estreou com o CD "To no Auge", já experimentando misturas sonoras de rock, bossa, samba e MPB. Aquele primeiro trabalho ganha, agora, desdobramento, com o segundo disco, "Tono", que reúne 11 músicas inéditas (e autorais dos integrantes da banda carioca), além da regravação de "Nega Música", composição de autoria de um paulista, Itamar Assumpção.

Atualmente, Bem acompanha Gilberto Gil em seus shows acústicos e elétricos, mas recebe o aval do pai para se dedicar ao próprio projeto. Assim como ele, os outros integrantes da Tono - Leandro Floresta (flautista), Rafael Rocha (baterista-vocalista), Bruno di Lullo (guitarrista e baixista) e Ana Cláudia Lomelino (vocalista) - também mantêm vidas musicais paralelas. "Mas nossa energia maior está focada na banda", afirma Bem. As informações são do Jornal da Tarde.

Tudo o que sabemos sobre:
músicaBem GilTono

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.