Balé Guaíra se apresenta no Municipal

Pouca gente sabe que Mário de Andrade escreveu Macunaíma em sua chácara Sapucaia, em Araraquara, nas férias de 1926, dentro de uma banheira. O livro e essa história foram a inspiração para a coreógrafa Gilsamara Moura estudar a tradução entre uma linguagem escrita, a literatura, para uma não-escrita, a dança. A pesquisa tornou-se objeto de uma dissertação de mestrado e o resultado é Ursa Maior, espetáculo que será apresentado domingo, no Centro Cultural Banco do Brasil, às 12 horas, no Dança em Pauta. "Minha idéia é apresentar a relação entre a dança e a literatura, sem, no entanto, dançar a história de Macunaíma, e sim dar uma visão mais intimista da obra", explica Gilsamara. A coreografia possui três momentos definidos: a crise, o ócio e a antropofagia. "São temas marcantes no livro e resolvi colocá-los na peça", diz. Ursa Maior também conta com a trilha de José Luiz Martinez, que faz uma "escultura musical", como ele mesmo define. "O José Luiz utiliza uma série de instrumentos e os distribui de tal maneira no palco que parece uma instalação", afirma a coreógrafa. Antes de Gilsamara entrar no palco será exibido o documentário "Perfil Transitório", no qual o público conhecerá as etapas da construção da coreografia e da pesquisa. "As pessoas verão um pouco mais de todo o processo de criação e assim, acredito, será mais fácil compreender a peça." Quem for ao CCBB também poderá acompanhar uma palestra sobre o tema com a participação da crítica de dança do Estado, a professora Helena Katz. Outro evento importante na dança, que ocorre amanhã e sábado, é a apresentação do Balé Teatro Guaíra no Municipal, que mostrará o espetáculo "Contemporâneos Brasileiros", com as coreografias Nem Tudo o Que Se Tem Se Usa, da dupla curitibana Chamecki & Lerner, e Trânsito, da bahiana Ana Vitória. A segunda parte do programa terá O Segundo Sopro, da paulista Roseli Rodrigues. "Nem Tudo o Que Se Tem Se Usa é um trabalho bem contemporâneo, que investiga o corpo dentro de um mundo limitado - os bailarinos dançam com um cubo no palco", explica a diretora do Balé, Suzana Braga. Trânsito, como define a diretora, é uma mistura de ritmos. O Segundo Sopro, de Roseli Rodrigues é uma peça lúdic leve e que agrada ao público, porque os bailarinos dançam em um palco coberto pela água", diz Suzana. O Guaíra está em turnê por 17 cidades brasileiras com o apoio da Embratel. "A temporada é importante porque garante a circulação e troca de idéias."Dança em Pauta. Com a bailarina Gilsamara Moura. Domingo, às 12 horas. Grátis (convites uma hora antes). Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Álvares Penteado, 112, tel. 3113-3600. Balé Teatro de Guaíra. Direção de Suzana Braga. Hoje e amanhã, às 21 horas. De R$ 5,00 a R$ 25,00. Teatro Municipal. Praça Ramos de Azevedo, s/n.º, tel. 222-8698. Até amanhã

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.