Balé da Cidade toma os palcos de SP

Julho em São Paulo é o mês do Balé da Cidade. A partir de amanhã quatro espetáculos de balé, um deles inédito, poderão ser vistos em três palcos diferentes da capital. A novidade fica por conta da coreografia Res Ipsa, do israelense Rami Levi, em curtíssima temporada no Teatro Municipal. Os bailarinos do Balé da Cidade ainda estarão em Divinéia e Interlúdio, criados por Jorge Garcia, no Teatro Sérgio Cardoso, e em Deserto dos Anjos, de Cláudia Palma, no Centro Cultural São Paulo.A diretora do Balé da Cidade, Mônica Mion, diz que realizar os espetáculos ao mesmo tempo é uma maneira de fazer com que os paulistanos se sintam cada vez mais "donos" da companhia. Ela conta que será a primeira vez que o Balé da Cidade ocupa três teatros durante o mesmo mês e que as apresentações devem aumentar o número de espetáculos feitos pela companhia neste ano.Em 2001, foram cem apresentações, média razóavel segundo a diretora. "Não podemos aumentar demais a quantidade das apresentações porque isso pode causar queda na qualidade. Além disso, estamos viajando muito." A nova coreografia Res Ipsa é a que deve viajar para o exterior este ano.O nome da obra é uma expressão em latim que significa "aquilo que fala por si mesmo". O coreógrafo quer levá-la para sua terra natal, Israel. O espetáculo trata de questões internacionais, como as de fronteiras, e existencialistas, como o auto-conhecimento e a superação. As imagens da guerra entre Israel e a Palestina, também são colocadas pelo coreógrafo em forma de gestos e movimentos.Avesso às questões que envolvem o conflito, Levi diz que seu trabalho não é político e não gosta de tratar do assunto. Ele coloca, no entanto, gestualidades de combates em cena. Para alguns, a obra, que mostra os bailarinos em movimentos que lembram a ação mutiladora de bombas, pode incomodar. Levi rechaça a idéia e garante que seu objetivo nunca foi o de mostrar os horrores da guerra.As três outras coreografias já foram apresentadas anteriormente em São Paulo. Divinéia é inspirada no livro do médico Drauzio Varella, Estação Carandiru, e Interlúdio trata da movimentação cênica das óperas. Já Deserto dos Anjos fala sobre a vida dos idosos no Brasil.Res Ipsa. De hoje a sábado, às 21h, e domingo, às 11h e 17h. Teatro Municipal (Pça. Ramos de Azevedo, s/n, tel. 222-8698). De R$ de 5 a R$ 10.Divinéia e Interlúdio, de 18 a 20/7, às 21h, e dia 21, às 19h. Teatro Sérgio Cardoso (Rua Rui Barbosa, 153, tel. 288-0136). De R$ 5 a R$ 10.Deserto dos Anjos, de hoje a sábado, às 21h, e dia 14/7, às 20h. Centro Cultural São Paulo (Rua Vergueiro, 1.000, tel. 3277-3611). Grátis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.