Balé da Cidade prepara a festa de seus 35 anos

Em 2003, o Balé da Cidade de São Paulo celebra 35 anos, um marco quando o assunto é dança. Para comemorar, a companhia prepara uma agenda repleta de atividades, que prevê o lançamento de um livro com a história do grupo. E também inicia programa de assinaturas para temporada no Teatro Municipal e ainda planeja diversas ações comunitárias.A temporada de 2003 terá duas estréias, a principal delas prevista para abril, do coreógrafo italiano Mauro Bigonzzetti - diretor do Aterballetto, grupo que se apresentou em outubro na cidade. "Essa será a primeira vez que Bigonzzetti fará uma coreografia para uma companhia da América Latina. Também contaremos com Jorge Garcia, com a finalidade de manter a filosofia do balé - abrir espaço para jovens coreógrafos. Garcia vai estrear um novo trabalho com trilha sonora original do DJ Dolores", explica a diretora da companhia, Mônica Mion. Ainda em fase de negociação, dois nomes de destaque no cenário da dança foram convidados para trabalhar com o grupo: Lia Rodrigues e Mara Borba. "Eu conheci a Lia na escola de d. Nice Leite. O projeto ainda não está definido e a expectativa é grande."A diretora deve dar continuidade e inovar os tradicionais programas de responsabilidade social entre crianças e adultos da rede municipal de ensino, atividade que nasceu há quase 10 anos. Na programação estão previstos: oficinas de criatividade em dança e apresentações de espetáculos dentro das escolas localizadas em regiões carentes; oficinas profissionalizantes nas áreas de apoio teatral (maquinaria, iluminação, cenografia, contra-regras, sonorização, adereços, televisão, vídeo e fotografia de dança) voltadas aos adultos e estágios de formação técnica e artística para pré-profissionais carentes.Ainda, para esquentar as atividades, o Balé da Cidade, única companhia brasileira a ter no repertório uma peça do coreógrafo israelense Ohad Naharin, deverá apresentar um programa especial em julho. Na agenda, peças do repertório da companhia, com trabalhos de Luiz Arrieta, Victor Navarro e Oscar Araiz. "Essa é uma oportunidade para apresentar ao público a história da companhia, mostrar trabalhos antigos, que muitos não tiveram a oportunidade de conhecer."E no que diz respeito à história da dança em São Paulo, para engrossar a parca bibliografia, o projeto de um livro, que fará a retrospectiva dos 35 anos da companhia. O projeto das comemorações já foi aprovado pela Lei Rouanet (n.º 02/3418 no Pronac), com custo total de R$ 2 milhões, e o custo do livro é de R$ 500 mil. "Ainda estamos captando recursos para a execução de todos os trabalhos."A obra possui o título provisório de DiverCidade em Movimento - 35 anos do Balé da Cidade de São Paulo, terá 124 páginas, capa dura formato 23 x 31 cm, feita a quatro cores e em papel cuchê. Contará com textos curtos de críticos que acompanharam a trajetória da companhia, como Helena Katz, Cassia Navas, Ana Francisca Ponzio e Acássio Vallim. A pesquisa iconográfica ficou por conta de Yatã Canabrava. A organização do livro será da jornalista Norma Couri."O que encarece o projeto é a necessidade de organizar nosso acervo. A primeira fase consiste em sistematizar para, em seguida, organizar imagens, catálogos, programas, jornais e demais documentos." Assim que a sala de documentação estiver pronta, será aberta ao público, livre para pesquisa. De acordo com a diretora, os parceiros do Balé terão atividades diferenciadas, como a dança dentro de suas empresas. Os interessados devem entrar em contato com o Balé, pelo telefone 0--11 3241-3833.Em 1968, nascia o Corpo de Baile do Teatro Municipal. Sob a direção de Johnny Franklin, composto por alunas da Escola Municipal de Bailado para atender às montagens de clássicos como Lago dos Cisnes e Gisele. Em 1974, Antonio Carlos Cardoso, Iracity Cardoso e Marilena Ansaldi transformaram o Corpo de Baile em Balé da Cidade de São Paulo, com as características que o identificam até hoje, aberto a diversas tendências de dança moderna e contemporânea, sem coreógrafo residente. No repertório, coreografias de Ohad Naharin, Denise Namura, Ana Mondine, Henrique Rodovalho, Deborah Colker e Sandro Borelli, entre outros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.