Balé da Cidade entra no programa de assinaturas

O Balé da Cidade de São Paulo passaa fazer parte do programa de Assinaturas do Teatro Municipal, jáde olho nas comemorações dos 35 anos da companhia. A diretora,Mônica Mion, passou um ano planejando as atividades eselecionando o que há de melhor no repertório para bolar estatemporada.Um programa variado, que conta com a participação decoreógrafos brasileiros, como Jorge Garcia, e estrangeiros, comoMauro Bigonzetti. Eles marcarão as estréias da companhiaprincipal em abril. Garcia, prata da casa, já criou Divinéiae agora volta aos palcos com uma coreografia mais intimista eurbana, com direito a projeções. A trilha será assinada pelo DJDolores, mais ainda está sendo acabada. "Jorge Garcia é umagrande aposta. Foi um sucesso com seu primeiro trabalho. Eleenfrentou as dificuldades de coreografar para uma companhiagrande, de criar para os próprios colegas", diz a diretora.As pesquisas para a coreografia, ainda sem nome,começaram em dezembro. Os bailarinos já estão no início dosensaios. A equipe técnica já foi definida, com a presença deFábio Namatame e a turma do Fábrica Bijari, responsável pelasprojeções e cenografia. Já o trabalho com o italiano Bigonzetticomeçará apenas em março. "Essa divisão foi excelente, porquecada um pode desenvolver suas coreografias em meses diferentes,não sobrecarrega os bailarinos. Esta é a primeira vez que odiretor do Aterballeto cria para o Balé da Cidade."A peça está baseada na trajetória artística de umacantora italiana, que começou sua carreira no fim dos anos 50."Ele pretende fazer uma passeio por diferentes épocas, deacordo com a trilha sonora. Também deseja traçar um paralelo comos fatos históricos brasileiros."Em junho, o Balé da Cidade participará da ópera ÉdipoRei, sob a coordenação de Mara Borba. "No mês de abril,também daremos início ao trabalho para este espetáculo, que seráapresentado no palco com a orquestra experimental derepertório." O mês de julho será dedicado ao coreógrafoisraelense Ohad Naharin, com Axioma, Black Milk ePerpetum, entre outras. "Somos a única companhia no mundoque possui peças dele no repertório. Naharin virá para asmontagens, mas ainda não confirmou sua presença na estréia." Emagosto, a companhia agita as comemorações dos 100 anos deCândido Portinari, com a coreografia Baile na Roça.Setembro será recheado de atividades, a começar pelolançamento de um livro que reúne 35 anos de história dacompanhia. Uma obra organizada pela jornalista Norma Couri, queconta com textos de críticos e pesquisadores que acompanharamtodas as etapas do grupo. E, também, um belo materialiconográfico, com fotos que registraram os principais momentosdo Balé. Para completar, as duas companhias - principal eveteranos - farão, a partir do dia 19, uma retrospectiva."Pretendemos fazer uma grande festa, reunir artistas epessoas que participaram da companhia. O lançamento do livrobrindará este momento do Balé." Mônica já estuda um programaespecial para as comemorações dos 450 de São Paulo, em 2004."Gostaria de emendar as atividades do aniversário do Balé, como aniversário da cidade. Penso em incluir coreografias antigas,uma homenagem aos coreógrafos que marcaram presença na companhia, como o Oscar Arraiz e Luiz Arrieta, entre outros."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.