Balé da Cidade dança no Municipal

O Balé da Cidade encerra a temporada deste ano apresentando-se de quarta a sexta-feira no Teatro Municipal de São Paulo. No repertório, quatro peças, com destaque para Paixão, coreografia inédita na cidade, criada por Déborah Colker e que marca o primeiro encontro da premiada artista com a companhia.Essa parceria só foi possível graças ao patrocínio do Banco Chase Manhatthan. "O apoio do banco foi fundamental para o balé porque pudemos contatar a Débora Colker e, ainda, possibilitou apresentação de espetáculos em outros Estados, fora da programação", conta a diretora da companhia, Ivonice Satie.Paixão, como o próprio nome diz, é uma coreografia que mostra o desenvolvimento desse sentimento e celebra o amor. O trabalho de duos, com 17 minutos, faz parte do espetáculo Vulcão, criado em 1994 para o lançamento da Cia. Deborah Colker, no Rio.Deborah consegue em suas apresentações cativar o público - Vulcão atraiu mais de 100 mil espectadores -, fato este ligado à criação de um vocabulário que a moçada consegue compreender e, na maioria das vezes, identificar-se. Paixão busca essa empatia com o público. Outro aspecto que chama a atenção é a eclética trilha sonora, com canções de Barry White, Edith Piaf, Elvis Presley, João Gilberto, Maria Callas, Lou Reed Marvin Gaye, Rolling Stones, Steve Wonder e até mesmo Roberto Carlos.Apresentações - As demais coreografias que serão apresentadas já foram encenadas pelo Balé da Cidade, mas ganharam remontagem especial para este fim de temporada e serão dançadas na seguinte ordem: In Pulso, de Henrique Rodovalho, Trindade, de Luis Arrieta, Shogun, para o Meu Avô, de Ivonice Satie, e Paixão, de Deborah Colker.In Pulso foi criada em maio deste ano por Henrique Rodovalho, coreógrafo do Quazar, e esta adaptação será encenada em 32 minutos - a primeira versão tinha uma hora de duração. Vinte bailarinos desvendam o cotidiano e as intensas emoções da vida em uma metrópole, ao som de Stravinski e, também de Henrique Lorenzen, que compôs especialmente para a coreografia.Shogun, ao Meu Avô foi criada em 1982 pela diretora do Balé da Cidade e recebeu importantes prêmios no Brasil e exterior. "Não costumo criar para a companhia para a qual eu comando, gosto de abrir espaço para outras influências, outros artistas, mas achei importante remontá-la porque foi uma de minhas primeiras criações e traz um pouco da minha conduta interior", explica Ivonice.De acordo com a criadora, esse trabalho é um tributo ao avô, a pessoa que a influenciou para as artes. "É o resultado da experiência adquirida com o mestre, da influência advinda das artes marciais e da mistura das culturas ocidental e oriental. Na realidade, essa fusão sou eu. Ver o Balé da Cidade dançar essa coreografia é uma felicidade, porque posso apreciar a companhia que dirijo interpretar algo especial para mim."Shogun não será representada por inteiro, apenas dez minutos, com músicas de Milton Nascimento e Fernando Brant e arranjos compostos pelo grupo mineiro Uakti.Trindade faz parte do espetáculo Nascer ou Algumas Profecias Cotidianas e Eternas do Ciclo Três. Foi criada em 1982, mas apresentada pelo Balé da Cidade pela primeira vez apenas em 1986. O argentino Luis Arrieta, criador dessa peça, buscou inspiração na matemática e faz referências ao equilíbrio que o número 3 representa. O elenco é composto por três bailarinos, um homem e duas mulheres, tem dez minutos de duração e a trilha de Samuel Barber, com o Adágio para Cordas opus 11. E, para finalizar a noite, Paixão, de Deborah Colker.A montagem desse repertório teve o apoio do Chase que propiciou turnês da companhia para outros Estados, como Minas Gerais, por exemplo - lugares que até então não conheciam o trabalho do Balé da Cidade. Também viabilizou espetáculos em comunidades carentes, possibilitando a formação e a ampliação de público. Patrocínios como esse são importantes para o desenvolvimento da dança no País.Balé da Cidade de São Paulo. De quarta a sábado, às 21 horas; domingo, às 14 e 19 horas. De R$ 5,00 a R$ 12,00. Teatro Municipal. Praça Ramos de Azevedo, s/n.º, 222-8698

Agencia Estado,

14 de novembro de 2000 | 19h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.