Balé da Cidade abre maratona em SP

O Balé da Cidade de São Paulo estáem turnê por três teatros municipais espalhados pela cidade. Aidéia da diretora da companhia, Mônica Mion, é popularizar adança, levar o repertório do grupo para pessoas que não têmacesso aos espetáculos. De hoje até o dia 28, as duas companhias- a dos jovens e a dos mais experientes - apresentam novecoreografias dentro da programação do Teatro Municipal Visita,um projeto que leva os corpos estáveis para apresentações nacidade.Fruto do próprio Balé da Cidade, o jovem coreógrafoJorge Garcia assina Divinéia e Interlúdio, a convite deMônica, que pretende investir em novos talentos. Em Divinéia, há o retrato do cotidiano dos presos no complexo do Carandiru.Dançada por oito bailarinos, a peça possui entornos sensuais,muito vigor e força para retratar as sensações colhidas em umpátio dentro do presídio, local destinado às revistas dos presos, conhecido como Estação Carandiru. A rápida Interlúdio, comduração de apenas dez minutos, retrata as reações de quatromulheres à espera de uma ópera.A companhia 2, além de mostrar talento e experiência,estréia as coreografias Swansong, de Raimundo Costa,Substância Básica, de Armando Aurich e Sarah, deFernando Martins, todos artistas da própria companhia. Outrodestaque fica por conta de Res Ipsa, do israelense RamiLevy. O mais recente trabalho feito para a companhia 1 do Baléda Cidade trata das relações humanas.Levy parte do conceito de obra aberta. "Res Ipsa"significa "aquilo que fala por si mesmo" e cabe ao públicodefinir aquilo a que está assistindo. Em cena, a violênciapresente nas relações humanas, a massificação e as angústiasíntimas são traduzidas em movimentos que permitem aos bailarinosesbanjar qualidade técnica.O Balé da Cidade também marca presença no CentroCultural São Paulo, no evento Solos, Duos e Trios, dos dias21 a 25. Após a maratona deste mês, bailarinos e a equipetécnica das duas companhias arrumam as malas para uma turnê pelaEuropa.Balé da Cidade Cia. 1 e 2. Terça, às 20 horas. Teatro AlfredoMesquita. Avenida Santos Dumont, 1.170, tel. (11) 6221-3657;quarta, às 20 horas. Teatro Arthur Azevedo. Avenida Paes deBarros, 955, tel. (11) 6605-8007 e Teatro Paulo Eiró. AvenidaAdolfo Pinheiro, 765, tel. (11) 5546-0449.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.