Denise Andrade/Estadão
Denise Andrade/Estadão

Balada Literária debate gêneros em 8ª edição

Encontro que neste ano presta homenagem ao cartunista Laerte será realizado em diversos espaços da cidade

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

19 de novembro de 2013 | 18h55

A Balada Literária chega ao seu 8.º ano com uma edição que pretende discutir a questão do gênero – do literário ao sexual. Isso porque o autor homenageado, que acaba norteando toda a programação, é o cartunista Laerte, militante da causa. De quarta até domingo, mais de 100 convidados participam de debates, shows e outras atrações gratuitas em diversos espaços da cidade. A abertura será às 18 horas, no Sesc Pinheiros, com o show Cor, Ação do Brasil, em celebração ao Dia da Consciência Negra, com Fabiana Cozza, Aloísio Menezes, Áurea Martins, Lucas dos Prazeres, Monarco da Portela, Sapopemba e Sérgio Pererê.

“Há um ano, quando fiz o convite para que ele fosse o homenageado, não vivíamos esse momento de perseguição, não tínhamos essa comissão de Direitos Humanos. Nesse último ano, enfrentamos, a duras batalhas, o preconceito”, comentou o escritor Marcelino Freire, idealizador e curador do evento. “Vamos mostrar que estamos aqui resistindo a toda essa hipocrisia. A Balada é o nosso grito”, completa.

O primeiro debate, a ser realizado na quinta, às 11 horas, na Livraria da Vila (Vila Madalena), reunirá Laerte numa conversa com o também cartunista Angeli, o jornalista Sérgio Gomes e o escritor João Silvério Trevisan, que participa a pedido do homenageado. A mediação será de Joca Reiners Terron. “João Silvério é um grande militante da causa trans e, além de integrar essa mesa, volta à Balada para ser sabatinado por jovens autores”, conta Marcelino Freire. A mesa Mister G - Uma Conversa Sobre Literatura e Sexualidade também será na livraria, amanhã, às 14h30. Os escritores Lima Trindade, Luana Chnaiderman de Almeida e Thiago Barbalho entrevistam Trevisan.

A ideia de homenagear Laerte não tem, porém, relação apenas com a militância do cartunista. Freire conta que queria celebrar, também, os quadrinhos. Nesse sentido, ocorrerá, no domingo, às 14h30, no Centro Cultural b_arco, uma batalha de quadrinistas. A organização é de Rafael Coutinho, filho do homenageado, que participa da competição ao lado de Eloar Guazelli, Amilcar Pina, Gabriel Góes, Julia Bax, Mateus Acioli e Tiago Elcerdo.

Outro destaque da programação é o encontro mediado por Christiano Aguiar, entre João Anzanello Carrascoza, Daniel Pellizzari, Cadão Volpato e Carola Saavedra – autores que estão experimentando gêneros diferentes daqueles em que se consagraram. O debate será na sexta-feira, às 11h, na Livraria da Vila – encontros são realizados, também, no Espaço Parlapatões, na Biblioteca Alceu Moroso Lima e em outros locais.

Entre os convidados desta edição, estão Santiago e Elisa Nazarian, Ricardo Ramos Filho, Alice Ruiz, Estrela Ruiz Leminski, Eucanaã Ferraz, Paulo Lins, José Luiz Passos, Noemi Jaffe, Vanderley Mendonça e Paulo Cesar Pereio.

Durante todo o evento, o público poderá visitar, na Livraria da Vila, a exposição de J.R. Duran. Ele fotografou as escritores Índigo, Andrea Del Fuego e Ivana Arruda Leite vestidas de homem e os escritores Reinaldo Moraes, Paulo Lins, Marcelino Freire e Laerte com roupas de mulher.

A tradicional Ressaca Literária será no dia 27, no Centro Cultural b_arco. Às 19h30, conversam Arnaldo Antunes, Ferréz e Lourenço Mutarelli. Depois, haverá o show Passo Torto, com, entre outros, Romulo Fróes.

Pela primeira vez, a Balada Literária usou a Lei Rouanet. Ela podia captar R$ 380 mil, e conseguiu R$ 200 mil.

Em 2012, o evento prestou homenagem ao recluso escritor Raduan Nassar, que acabou aparecendo de surpresa num dos debate. Não disse nada, mas proporcionou aos presentes um raro momento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.