Bahia assina acordo para receber Museu Rodin

O primeiro Museu Rodin fora da França será instalado nacapital baiana até maio do próximo ano. Na sexta-feira representantes do governo da Bahia e da França assinam o acordo quepermitirá efetivar o museu para exposição permanente de obras do grandeescultor Auguste Rodin. "Será uma atração não só para a Bahia mas paratodo o Brasil", comemorou hoje o secretario da Cultura e Turismodo Estado Paulo Gaudenzi. O Palacete Bernardo Martins Catharino,casarão de dois pavimentos do inicio do século 20, localizado no Bairroda Graça será adaptado e ambientado para receber o novo museu.Pelo menos quatro esculturas em gesso e bronze do artista serãoadquiridas pelo governo baiano, através da Lei Roaunet, de incentivo àcultura, mas o acervo total contará com 62 peças, a maioriaemprestadas em regime de comodato, pelo prazo de três anos. SegundoGaudenzi as peças foram escolhidas por especialistas na obra de Rodinentre as suas várias fases, exatamente para mostrar com mais amplitudepossível a arte do escultor.A idéia de instalar o Museu Rodin na Bahia foi do ex-curador daPinacoteca de São Paulo Emanoel Araújo, organizador de várias mostrasdo artista no Brasil, que foi abraçada com entusiasmo por Gaudenzi e oex-governador César Borges (PFL). O diretor do Museu Rodin de Paris,Jacques Vilain conheceu Salvador e achou a cidade ideal parainstalar uma casa com as obras do escultor francês.A Bahia é berço de muitos escultores de talento.Manoel Inácio da Costa e Francisco das Chagas, o Cabra, que viveram nacapital baiana entre o final do século 18 e inicio do 19 sãoconsiderados dois dos maiores escultores brasileiros de todos ostempos. O Cabra, chamado de o Aleijadinho baiano, filho de um escravoalforriado e autor do emblemático Cristo Atado à Coluna, obrapertencente ao Museu do Convento do Carmo de Salvador, já foi comparadoa Rodin e Michelângelo por estudiosos das artes plásticas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.