Bach e Haydn reverenciados com sabor e leveza

O público saiu levitando no intervalo do concerto de quinta-feira, na Sala São Paulo. Não sei se a emoção se devia à interpretação propriamente dita. Talvez o público tenha vibrado tanto porque é capaz de assobiar ao menos os temas do concerto de Bach. Os violinistas Pinchas Zuckerman e Jessica Linnebach e a seção de cordas da Osesp entrosaram-se bem nos arquiconhecidos Concerto para Dois Violinos em Ré Menor, de Bach, e Concerto para Violino em Dó Maior, de Joseph Haydn.

Crítica: João Marcos Coelho, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2010 | 00h00

Tudo fluiu com naturalidade e sabor e era perfeita a integração entre Zuckerman e Jessica. No concerto de Haydn, ele brilhou sozinho, regendo com o arco e solando.

Na segunda parte, prosseguiu o clima de fluidez. A mesma singeleza frequentou as duas peças curtas para violoncelo e orquestra de Max Bruch, mediano contemporâneo de Brahms que cortejou o autor do Réquiem Alemão dedicando-lhe sua primeira sinfonia em 1870. Os temas até que são bonitos. Brahms apostou nele quando o conheceu; mas depois se decepcionou. Em todo caso, é música agradável, fácil mesmo, que quase nada exigiu da solista Amanda Forsyth.

Àquela altura, a atmosfera de beleza dominava o ambiente. Talvez por isso, Pinchas Zuckerman manteve a delicadeza nas Variações Sobre Um Tema de Haydn, de Brahms. E acertou em cheio, já que a obra opera o prodígio de ocultar complexos exercícios no trato orquestral sob camadas de música que soam levíssimas.

Brahms, não devemos esquecer, foi o primeiro compositor do século 19 a olhar para trás e fazer um esforço consciente para integrar o cânone dos grandes compositores. Por isso, nessas variações ele comenta e ressalta elementos das obras de Beethoven, Mozart, Bach e, claro, Haydn, como bem observa o musicólogo Michael Beckerman.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.