Babel

INÉDITOS

MARIA FERNANDA RODRIGUES - mariaf@rodrigues@grupoestado.com.br, O Estado de S.Paulo

18 Fevereiro 2012 | 03h10

O recluso Dicke de volta às livrarias 

Ricardo Guilherme Dicke (1936-2008, foto), autor de Deus de Caim, nunca fez questão de ser um escritor conhecido e publicou por conta própria alguns poucos livros - que circularam de forma precária, apesar da avidez dos leitores, especialmente de São Paulo. Viveu recluso em Cuiabá, o que dificultava ainda mais a divulgação de seu trabalho, mas isso não o impediu de cair nas graças de Guimarães Rosa, Nélida Piñon, Hilda Hilst, Ignácio de Loyola e Glauber Rocha. O editor Ramon Carlini, também de Cuiabá, tem a chance agora de reparar essa lacuna editorial - embora Dicke nunca tenha deixado de escrever. Carlini, que já tinha publicado seis títulos do autor, recebeu uma ligação da filha de Dicke dizendo que a família havia encontrado pelo menos 12 originais entre as coisas de Adélia, sua mulher, que morreu dois meses atrás. "Estou fazendo o inventário. Há romances, contos e até poemas. Enquanto eu tiver fôlego, vou editando", disse Carlini, que imagina publicar de dois a três livros novos por ano - e garante que eles estarão à venda nas principais livrarias do País e em e-book. A tarefa é árdua: os originais estão datilografados e há muitas anotações incompreensíveis. Apesar da organização de Dicke, que deixou inclusive título para todos os volumes, o editor fica confuso vez ou outra: "Do livro Complexo do Divino Parte 1, encontrei quatro versões. E agora?" Entre os inéditos estão o romance Como o Silêncio e a coleção de poemas A Chave do Abismo. Autor e editor se conheceram em 1997, mas a parceria só veio em 2003, quando Carlini perguntou se Dicke não daria um de seus livros para ele "brincar". Ganhou a amizade e os títulos. "Ele estava havia décadas sem lançar nada e disse que sua alma tinha voltado a sorrir." Os livros saem pela Carlini & Caniato. E-BOOK

Contra o tempo

Mauro Widman, contratado em dezembro para preparar a chegada da Amazon ao Brasil, acaba de voltar de um treinamento em Seattle. Sem entrar muito em detalhe, conta que aprendeu aspectos técnicos do trabalho e que por ora não há novidades quanto aos planos da empresa. Mas março será um novo mês. Dia 15, Pedro Huerta, diretor de conteúdo do Kindle, chega ao País.

MERCADO

Vitrine internacional

Entre as editoras com mais títulos no catálogo que a Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil distribui na Feira do Livro de Bolonha - a mais importante do mundo no setor, marcada para março - estão a Global, que editou a publicação, FTD, Nova Fronteira, Objetiva e Companhia das Letrinhas. Vale destacar o desempenho das independentes Biruta, Peirópolis, Abacatte e Projeto na seleção. Os autores mais populares são Ilan Brenman, Lucia Hiratsuka, Rui de Oliveira e Jô Oliveira. As editoras inscreveram 1.168 livros na expectativa de figurar no catálogo. Foram escolhidos 193.

PESQUISA

Para além da Jornada

Idealizadora e organizadora da Jornada Nacional de Literatura, que comemorou 30 anos em 2011 e transformou Passo Fundo (RS) em cidade referência na formação de leitores, Tânia Rösing viaja para a Espanha em abril. Ela fará um estágio de pós-doutorado na Universidade de Extremadura. O foco de sua investigação é o professor e seu compromisso com a leitura.

BIENAL

Os primeiros confirmados

É ano de Bienal do Livro em São Paulo e a Novo Conceito já escolheu quem trazer para a feira, em agosto: o americano Corban Addison, de Cruzando o Caminho do Sol, sobre o tráfico humano entre Índia e Europa; e a irlandesa Lucinda Riley, de Casa de Orquídea, uma história de amor que se passa na Tailândia e no Reino Unido, em 1939, com consequências para várias gerações. Os livros ficam prontos antes do evento.

JUVENIL

Contos de um ilustrador

O australiano Shaun Tan é mais conhecido por suas ilustrações e HQs, mas seu talento vai além do traço. Em 2011, ele ganhou o Oscar de melhor curta de animação por The Lost Thing. Em março, sua coletânea Contos de Lugares Distantes será lançada no Brasil pela Cosac Naify e duas curiosidades chamam a atenção. A primeira é que Neil Gaiman topou escrever a quarta capa da edição brasileira. A outra é que os 15 textos traduzidos por Érico Assis são ilustrados pelo escritor.

QUADRINHOS

Histórias do FBI

Apostando no sucesso do filme J. Edgar, de Clint Eastwood, a Seoman publica nos próximos dias J. Edgar Hoover - Uma biografia em HQ. Quem retrata a vida do famoso chefe do FBI é Rick Geary, colaborador da Marvel e da DC Comics.

BEST-SELLER

Mais estranho que a ficção

A Verus lança em março A Garota de Papel, de Guillaume Musso, o escritor que mais vendeu livros em 2011 na França - segundo o Le Figaro, ele passou de 1,5 milhão de exemplares. Sua literatura é conhecida por misturar histórias de amor e intrigas policiais. Neste thriller, Tom Boyd, um escritor reconhecido, entra em crise de inspiração depois de ser abandonado pela mulher. Começa a beber e vê uma de suas personagens cair da página do livro para o mundo real. A ameaça: se ele não voltar a escrever, ela morre. Saem os dois pela costa da Califórnia e do México atrás do amor perdido.

Vida de Artista

 

 

 

 

 

 

 

Amigo de Lucian Freud (1922-2011) desde os anos 70 e ex-crítico do Observer, William Feaver lança em 2015 a biografia do pintor – neto de Freud. Ele escreve a obra há cerca de 20 anos e teve a ajuda do amigo. Os direitos mundiais acabam de ser adquiridos pela Bloomsbury.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.