Babel

O fascínio das guardas dos livros

Raquel Cozer, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2011 | 00h00

Neta de José Mindlin (1914-2010), envolvida na digitalização do acervo do bibliófilo, a fotógrafa Lucia Loeb prepara desde o ano passado um livro todo composto por reproduções de guardas - aquelas páginas duplas, coloridas ou não, que colam a capa ao miolo e antecedem as páginas impressas. As guardas surgiram para proteger o corpo do livro da cola usada na capa, como explica em prefácio a encadernadora Thereza Brandão Teixeira, e adquiriram na Idade Média função de ornamentação. Lucia escolheu pela beleza centenas de modelos encontrados no acervo do avô, em edições como a primeira de Os Sertões (1902) e a francesa de 1876 de Os Lusíadas. Com o título Páginas de Cortesia e a própria capa feita com estampa de guarda, o volume deve sair pela Editora do Bispo, sem data definida, com CD de imagens para quem quiser utilizar as texturas. "Por enquanto, está com 140 páginas, mas ainda estou trabalhando no material. Talvez diminua para viabilizar a publicação", diz Lucia.

JUVENIL

A estreia do Tordesilhas

Prestes a estrear no mercado, o selo Tordesilhas garantiu um título que tem dado o que falar na Alemanha, onde já vendeu 100 mil cópias. Trata-se do juvenil Tschick, sobre dois garotos que atravessam o país num carro roubado. Segundo a crítica alemã, a saga é impactante como a história do autor, Wolfgang Herrndorf. Aos 45 anos, o escritor vem narrando em seu blog os dias que lhe restam desde a descoberta de um câncer no cérebro.

*

O Tordesilhas será lançado no dia 26 de abril, em megaevento com direito a peças musicais árabes e cerca de 200 convidados na recém-restaurada Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo.

QUADRINHOS

Made in Argentina

A Zarabatana prepara para outubro a publicação de Dora (imagem), história de uma garota que busca criminosos de guerra nazistas na Argentina dos anos 60, escrita e ilustrada pelo inovador Ignacio Minaverry. O título será o segundo da Coleção Fierro, que estreia mês que vem com Noturno, de Salvador Sanz.

*

Junto com a Coleção Fierro, de histórias longas, a cada seis meses a editora publicará histórias curtas na Fierro Brasil, versão nacional da famosa revista em quadrinhos argentina. A primeira edição desta terá nomes como Danilo Beyruth e Fábio Zimbres.

CIÊNCIA

A alucinação segundo Sacks

Oliver Sacks quer saber o que as alucinações - das distorções mais comuns, como as formas que vemos após esfregar os olhos, às visões decorrentes de drogas ou doenças cerebrais - dizem sobre nosso cérebro. Depois de O Olhar da Mente, o neurologista começou a escrever Hallucinations, que já teve os direitos garantidos pela Companhia das Letras.

LIVRARIAS

Feiras vs. lojas

Uma percepção da Associação Nacional de Livrarias (ANL) que não entrou em levantamento anual divulgado esta semana: o aumento do número de feiras de livros universitárias com descontos "predatórios" (acima de 50%), o que prejudica "acintosamente" os livreiros, segundo Vitor Tavares, tesoureiro da ANL.

CINEMA-1

Conversas com Scorsese

Recém-lançado nos EUA, Conversations with Scorsese, com entrevistas feitas pelo célebre crítico e documentarista Richard Schickel, sai em outubro pela Cosac Naify, que já publicou nesse formato o Conversas com Woody Allen. O livro sobre Woody saiu no fim de 2008 e é um dos grandes sucessos da editora. Está na quarta edição, com mais de 15 mil cópias vendidas.

CINEMA-2

Só mesmo no Brasil

Agosto é o mês limite para Marçal Aquino entregar à Companhia das Letras os originais da novela Como se o Mundo Fosse um Bom Lugar, passada em São Paulo - cenário que o autor retratou pela última vez em O Invasor, romance de 1997 que abre na próxima semana o selo Má Companhia. Logo depois, Marçal inicia, a quatro mãos, o roteiro de um filme que planeja há 15 anos, "um policial que só poderia acontecer no Brasil".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.