Avôs

Fila de banco. Dois senhores com ar distinto, um atrás do outro. Os dois engravatados, respeitabilíssimos. O senhor de trás nota um desenho colorido nas costas da mão do senhor da frente e pergunta:

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

03 de junho de 2012 | 03h08

- Neto?

- Neta - diz o outro.

- Eu também - diz o primeiro, mostrando um desenho nas costas da própria mão.

- Ela diz que é uma borboleta. Eu não acho nada parecido com uma borboleta, mas vou discutir com ela?

- A minha insiste que isto é um gato de chapéu, e não quer ouvir o contrário.

- Não aceitam críticas.

- No outro dia eu disse: "Que bonito, você fez uma pintura abstrata..." Ela não quis saber de pintura abstrata. Era um sapo vermelho no meio de um lago azul, eu não estava vendo?

- Elas ficam bravas.

- Ficam. Só falta nos chamarem de burros. E quando a gente vai lavar a mão para tirar a tinta?

- Fazem um escândalo. Estamos destruindo as suas obras de arte.

- A sua pinta o seu rosto também?

- Pinta. Diz que é maquiagem. Há dias eu estava dormindo a sesta e quando acordei estava com o rosto todo pintado. Pó, batom, blush, tudo que ela pega da mãe dela.

- A minha só usa o batom. Mas passa batom em todo o meu rosto, menos nos lábios. Na ponta do nariz, nas faces... Faz desenhos com batom na minha testa e exige que eu nunca mais lave o rosto.

- Não é formidável?

- É fantástico.

- Vou confessar uma coisa. Eu não sabia o que era a felicidade até o dia em que minha neta desenhou cabelos na minha careca com tinta preta. Foi um escândalo em casa. Mas como, sujando a cabeça do vovô desse jeito?! Ela explicou que era para tapar a careca, para o vovô ficar mais bonito. Botaram ela de castigo, ameaçaram jogar fora as suas tintas, foi uma choradeira só. E eu feliz da vida. Olhe só, ainda tem um resto de tinta aqui...

- Elas são maravilhosass...

- Mas depois crescem.

- Tem isso. Crescem depressa demais. Começam a achar avô chato...

- Eu me vejo daqui a poucos anos andando atrás da minha e pedindo: "Não quer pintar a mão do vovô?"

- É . "Pinta o rosto do vovô de palhaço, pinta."

- Vamos ter que pedir por favor.

- E elas nada. E daqui a pouco são umas mulheres feitas...

- A verdade é que ser avô dura muito pouco.

- Muito. Temos que aproveitar o momento, que passa rápido. Aproveitar antes que desbote.

- Como uma pintura na mão.

- Isso. Olha, acho que aquele guichê ficou livre.

- Vou lá. Muito prazer, viu?

- Prazer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.