Autoridades de Los Angeles discutem como conter paparazzi

Autoridades de várias instâncias deLos Angeles, além de celebridades como o cantor John Mayer, sereuniram na quinta-feira para discutir como resolver a questãodos paparazzi que perseguem astros de Hollywood, podendo criarsituações de perigo. Mas o chefe de polícia de Los Angeles, William Bratton,criticou muitas das idéias apresentadas, qualificando-as deimpraticáveis. O diretor de uma agência fotográfica disse quealgumas das celebridades reclamam demais. Bratton disse a uma televisão local que, com pessoas queprovocam sensação nos tablóides, como Paris Hilton e LindsayLohan, fora das manchetes por enquanto, não há necessidade decontroles adicionais. Mesmo assim, os fotógrafos de celebridades conhecidos comopaparazzi, ou "paps", vêm agindo com mais agressividade nosúltimos anos. Em alguns casos, suas táticas levaram a situaçõesde violência. No início do ano, moradores de Malibu se atracaram compaparazzi que tentavam fotografar o ator Matthew McConaugheynadando no oceano Pacífico. Na semana passada, guarda-costas deAngelina Jolie e Brad Pitt espancaram dois fotógrafos queinvadiram o terreno de sua mansão no sul da França. O incidente mais notório envolvendo paparazzi aconteceu coma princesa Diana, morta em 1997 com seu namorado Dodi al Fayedquando o carro em que estava sofreu um acidente enquanto eraperseguido por paparazzi num túnel em Paris. O vereador de Los Angeles Dennis Zine convocou umaaudiência na quinta-feira à qual compareceram autoridades deWest Hollywood, Malibu e outros locais frequentados porcelebridades, o delegado do condado de Los Angeles Lee Bacca ecelebridades como John Mayer e o ator Eric Roberts. Zine comparou os paparazzi que perseguem astros deHollywood a "um bando de lobos que perseguem sua presa", eoutras autoridades apresentaram propostas para a criação de umtelefone de emergência para celebridades e o licenciamento depaparazzi. Mas, na entrevista coletiva que concedeu à imprensa,Bratton criticou a proposta de credenciar os paparazzi,argumentando que é desnecessário gastar dinheiro da prefeituracom proteção adicional. E ele ironizou a idéia de criar zonasde segurança pessoal em torno das estrelas. "Qual é esse espaço protegido aos qual elas têm direito,sendo que o resto de nós não temos?" disse Bratton. Ele acredita, também, que os fotógrafos tenham se acalmado."Paris Hilton está fora da cidade, as coisas estão tranquilas;Lindsay Lohan está com uma namorada nova, o que está deixandoas coisas tranquilas; e Britney Spears está evidentementeficando sóbria, de modo que, basicamente, os paparazzi estãoperdendo seu interesse", disse ele. Mais tarde, Bratton rejeitou a observação de um repórtersegundo a qual sua observação a respeito de Lindsay Lohan teriasido inapropriada, dizendo que defende os direitos dos gays. Depois da audiência, Brad Elterman, da Buzz Foto, disse queficou satisfeito por participar do diálogo, mas descreveualgumas celebridades como "bebês chorões" e disse que lidar comos paparazzi faz parte do trabalho deles. "Não me envergonho do que faço", disse Elterman à Reuters."Todo o mundo se beneficia dos paparazzi: o varejo, os hotéis,o turismo."

SYANTANI CHATTERJEE, REUTERS

01 de agosto de 2008 | 18h30

Tudo o que sabemos sobre:
GENTEPAPARAZZILOSANGELES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.