Autora já foi indicada a prêmios

Com Nem Um Dia se Passa Sem Notícias Suas, o diretor Gilberto Gawronski soma três peças de Daniela Pereira de Carvalho em seu currículo - antes foram Uma Vida Um Pouco Menos Ordinária e As Próximas Horas Serão Definitivas. Uma ligação justificada pela forma sensível e contundente com que a dramaturga propõe o jogo cênico entre atores e plateia.

O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2012 | 03h08

Daniela faz parte de uma geração de jovens autoras teatrais (ao lado de Carla Faour e Alessandra Colasanti) que, informalmente, vem oferecendo visões distintas da sociedade - especialmente a carioca. Entre 2002 e 2005, ela escreveu os textos montados pela cia. Os Dezequilibrados (em que se destacou com Vida, O Filme).

Mas foi em 2005 que despertou atenção da crítica especializada com Tudo É Permitido, sobre jovens bem-nascidos que roubam carros por lazer. O retrato preciso e até cruel da sociedade continuou na peça seguinte, de 2006, Não Existem Níveis Seguros para o Consumo Destas Substâncias, em que apresenta um retrato desolado de uma repartição pública. Pelos dois textos, foi indicada ao Prêmio Shell.

Aos poucos, Daniela foi diferenciando suas pesquisas, chegando ao musical (com Tom & Vinicius, de 2009) e também à adaptação de poemas de Samuel Beckett, Cascando I e II. / UBIRATAN BRASIL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.