Autor de 'Gomorra' quer julgamentos mais longos na Itália

Protesto de Roberto Saviano já teve a adesão de 100 mil pessoas e visa a 'inibir instrumento de poderosos'

Efe,

16 de novembro de 2009 | 16h06

Mais de 100 mil pessoas assinaram o pedido do escritor Roberto Saviano para que o governo da Itália retire a lei que reduz o tempo dos julgamentos e que produziria a prescrição de milhares de processos, incluindo os dois que o primeiro-ministro, Silvio Berlusconi, tem pendentes, segundo informou nesta segunda-feira, 16, a imprensa local.

 

"Peço que seja retirada a lei sobre o julgamento breve e que ele seja feito pela salvaguarda do direito. O perigo é que o direito seja destruído na Itália e se transforme em um instrumento dos poderosos", diz a carta de Saviano a Berlusconi, publicada na edição digital do jornal La Repubblica.

 

Saviano denuncia que com a lei sobre o chamado "processo breve", que se encontra no Parlamento para aprovação, "prescreverão julgamentos sobre crimes gravíssimos". Com a introdução da lei, que prevê que um processo não pode durar mais de dois anos em cada um dos graus (primeira instância, apelação ou no Supremo Tribunal), milhares de processo prescreverão.

 

A lei será aplicada a todos os julgamentos, exceto aos relativos a pessoas com antecedentes penais e os de crimes de imigração, sexuais, de acidentes de trabalho, ligado à máfia ou ao terrorismo. Com isso, prescreveriam os dois processos nos quais Berlusconi é acusado de fraude fiscal na gestão do grupo Mediaset e o de corrupção no chamado caso Mills.

 

O escritor do sucesso literário internacional "Gomorra" afirma que "todos sonham com uma justiça rápida", mas a única maneira de ser alcançada "não é encurtar os julgamento e deixar os cidadãos sem Justiça, mas colocar os magistrados em condições de poder agilizar os processos".

Tudo o que sabemos sobre:
protestoSavianoItáliaGomorra

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.