Autobiografia revela que Asimov morreu de Aids

A viúva do escritor de ficção científica Isaac Asimov, morto em 1992, autor de obras consideradas fundamentais no gênero, como Eu, Robô e a trilogia Fundação, revelou que seu marido havia contraído Aids através de transfusão de sangue após uma cirurgia do coração feita em 1989. Janet Asimov, de 75 anos, disse que o escritor soube que era soropositivo quando fazia exames preparatórios para uma nova cirurgia, que acabou não se realizando. A mulher de Asimov guardou o segredo por dez anos por medo das manifestações de preconceito que poderiam sofrer. ?Advertiram-nos que se divulgássemos essa informação, nos converteríamos em alvo de preconceito?, disse. Além disso, Janet Asimov não quis comprometer a equipe médica que permitiu que seu marido fosse contaminado com o HIV. Asimov tinha três pontes de safena em seu coração desde 1983. Sua saúde começou a dar sinais de fragilidade cinco anos depois. Quando um exame de sangue confirmou que ele tinha Aids, ?ele estava tão doente que não se sentiu terrivelmente surpreso,? conforme disse a viúva. Além de Janet e do próprio Asimov, somente a filha Robyn e um círculo íntimo de amizades sabia que ele era portador do HIV. Janet Asimov traz a público a doença de seu marido exatamente quando conclui a edição da autobiografia do escritor, condensando em um único volume os três volumes originais da obra. It?s Been a Goog Life deve ser lançado nos Estados Unidos esse mês, com um epílogo escrito por Janet e cartas trocadas pelo casal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.