Austrália mostra sua arte no Brasil

Durante 22 dias do mês de maio 166 artistas australianos estarão em São Paulo. Eles vêm para mostrar que o país/continente tem muito mais do que cangurus. Tem seus astros pop (como Alice Hines, uma espécie de Alanis Morissette), arte aborígene, circo, música erudita e teatro.No pacote, vem até reality show, gênero representado pelos quatro atores de The Urban Dream Capsule, que vão se enclausurar durante duas semanas em uma vitrine no centro da cidade.Com 23 atrações, o 6.º Cultura Inglesa Festival será a maior mostra sobre a Austrália já ocorrida na América Latina. O evento será realizado de 7 a 28 de maio e pretende reunir um público de mais de 18 mil pessoas, número alcançado na mostra do ano passado. ?E olha que 74% dessas pessoas não eram alunos da Cultura Inglesa?, ressalta Richard Stevens, diretor-executivo da rede em São Paulo, um dos responsáveis pelo festival.A programação reúne seis peças de teatro (três adultas e três infantis), seis exposições, três shows, duas apresentações circences, um musical, um coral, um workshop, além de eventos gastronômicos e etílicos (degustação de vinhos e cervejas australianas). Entre os brasileiros, uma versão especial de Bichos do Brasil, da Cia. Pia Fraus. Só faltou o cinema ? berço de nomes como Mel Gibson, Nicole Kidman, Cate Blanchet e de boas produções, como Priscilla, A Rainha do Deserto de Stephan Elliot. ?Faltou verba e espaço?, justifica Stevens.Todas as atrações estarão espalhadas pelas filiais da Cultura Inglesa em São Paulo e no interior, além da Pinacoteca do Estado, Teatro Alfa e Centro Brasileiro Britânico. Como o evento ainda está em fase de finalização, várias atrações ainda estão com os locais e preço do ingresso indefinidos.?Pretendemos fazer algo mais popular, oferencendo programas gratuitos ou bilhetes entre R$ 10 e R$ 20?, afirma Stevens. Os ingressos deverão ser vendidos a partir do final de abril nas filiais da rede e pela Ticket Master.A atração mais esperada é o Circus Oz, do gênero circo moderno (mesma linha do Cirque Du Soleil, que dispensa números com animais. Em troca, aposta em contorcionistas e malabaristas no picadeiro ? que aqui será substituído pelo palco do Teatro Alfa.Idealizado em 1997, o festival tem por objetivo incentivar o intercâmbio cultural entre os países de língua inglesa e o Brasil. ?Desta vez, escolhemos a Austrália porque tem o clima, a afetividade das pessoas, a influência indígena e uma cultura muito próxima da brasileira?, diz Stevens. O longínquo país dos aborígenes tem despertado cada vez mais a curiosidade dos brasileiros. ?Temos dados de que a Austrália é um dos países de língua inglesa que mais têm atraído a atenção dos brasileiros?, diz Stevens. E isso se traduz em números. No ano passado, 10 mil brasileiros visitaram a Austrália. ?Neste ano, a embaixada espera dobrar esse fluxo e distribuir 20 mil vistos para turistas brasileiros?, ressalta Gerard Seeber, cônsul-geral do país.Mais informações pelo tel. (11) 3039-0553.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.