Atriz colombiana divulga novela do SBT

Estrela da novela Café com Aroma de Mulher, do "SBT", a atriz colombiana Margarita Rosa de Francisco esteve nesta semana no Brasil para divulgar seu trabalho na trama, gravada em 1994 e exibida pelo "SBT" diariamente, às 20h10. Na novela, Margarita interpreta a protagonista Gaivota, eterna apaixonada de Sebastião Vallejo, personagem vivido pelo brasileiro Guy Ecker. Fascinada pela música brasileira, a atriz e cantora esticou sua viagem até Salvador, onde iria conhecer cenários de alguns dos filmes que mais admira: Dona Flor e Seus Dois Maridos e Gabriela, Cravo e Canela. "Sou apaixonada pelos romances de Jorge Amado e adoro o trabalho da Sônia Braga, que é a protagonista desses dois filmes", ressalta a atriz, que já veio ao Brasil há dois anos para passar um réveillon no Rio de Janeiro. "Sempre me senti muito ligada ao Brasil por causa da música. Meu pai é cantor e desde criança acostumei a ouvir o trabalho de artistas brasileiros. Quando ouvi Elis Regina pela primeira vez passei a me interessar pela MPB", explica Margarita, que já gravou um disco com canções próprias e outros cinco promocionais de novelas. Aos 35 anos e trabalhando há 15 na televisão, Margarita não descarta a possibilidade de voltar a gravar novos discos, mas o que mais pensa no momento é buscar uma chance no cinema. "Adoro fazer TV, mas estou um pouco cansada do gênero. Quero muito fazer cinema, seja na Espanha, no Brasil ou nos Estados Unidos. Vi o filme Central do Brasil, com a Fernanda Montenegro, e adoraria trabalhar numa produção maravilhosa como aquela", elogia. Excursão - Assim como ocorreu quando as atrizes Thalia e Gabriela Spanic vieram ao Brasil, Margarita Rosa de Francisco também teve de participar de quase todos os programas de auditório do "SBT". Do sofá da Hebe às perguntas de Gugu, Margarita enfrentou a maratona de programas com bom humor, inclusive, com relação à paródia "Mulher com Aroma de Cachaça", exibida no início da semana pelo "Programa do Ratinho". Elogiando a qualidade das novelas brasileiras, Margarita lembrou que a técnica de gravação utilizada no Brasil é muito próxima do trabalho desenvolvido na Colômbia. "Assim como os atores do Brasil, não estamos acostumados a trabalhar com o ponto eletrônico, algo que é comum no México e Argentina, que precisam produzir uma quantidade muito grande de novelas, sem necessariamente se preocupar com a qualidade. Tenho muito respeito pela minha carreira e jamais conseguiria trabalhar dessa forma", salienta, lembrando que adoraria fazer uma novela brasileira. "Aguardo convites, mas também sei que os grupos são muito fechados e isso é muito difícil".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.