Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Atores veteranos desafiam o tempo e preparam peça 'A Última Sessão'

Sylvio Zilber, Laura Cardoso, Nívea Maria, Miriam Mehler, Yunes Chami, Gabriela Rabelo e Gésio Amadeu são alguns dos grandes nomes do elenco

Ubiratan Brasil, O Estado de S. Paulo

15 de dezembro de 2013 | 20h00

O ator, diretor e produtor Odilon Wagner encerrava a temporada de mais um espetáculo, há cinco anos, quando percebeu que, ao longo de sua trajetória, trabalhara com diversos veteranos do teatro. “Atores e atrizes talentosos que ajudaram a escrever a história do nosso teatro e TV, mas cujas histórias ameaçam se perder com o tempo”, conta ele que, aos poucos, foi anotando casos, especialmente os mais pitorescos. Depois de juntar um farto material, Wagner escreveu a peça A Última Sessão, que estreia no dia 16 de janeiro, no Teatro Frei Caneca.

Trata-se de um espetáculo de e sobre veteranos, interpretado por um elenco que é uma seleção de ouro: Sylvio Zilber, Laura Cardoso, Nívea Maria, Miriam Mehler, Yunes Chami, Gabriela Rabelo e Gésio Amadeu (em pé, na foto acima), além de Sonia Guedes e Etty Frazer, todos representando amigos, com idades variando entre 75 e 85 anos. “Certo dia, depois de um ensaio, decidimos somar o tempo de carreira do nosso grupo”, conta Zilber, exibindo um sorriso maroto. “Chegamos a um número aproximado entre 550 e 560 anos.”

Foram esse vigor e alegria que Odilon Wagner buscava ao construir a trama da peça, que se passa durante um almoço de domingo no Clube Inglês, onde velhos amigos se reúnem a cada semana. Encontros habitualmente tranquilos até que um dos participantes, um ator amargurado com o rumo de sua vida, resolve fazer um acerto de contas com os parceiros de jornada, inspirado em A Tempestade, de Shakespeare. A comédia salta, assim, para o drama, as desavenças são resolvidas com uma franqueza cortante até a conclusão, que se revela um final inesperado.

“Durante todo o tempo do espetáculo, nenhum ator sai de cena”, comenta Wagner que, durante o período de escrita, se sentia motivado com o sucesso de filmes protagonizados por elencos veteranos, como O Exótico Hotel Marigold e O Quarteto. “Com isso, buscamos não apenas valorizar a maturidade como também mostrar um vigor ainda existente na rotina dessas pessoas.”

Tal vitalidade foi comprovada pela reportagem do Estado, ao acompanhar um encontro dos atores. “Quando li o texto, fiquei intrigada pois parecia um quebra-cabeça”, conta Laura Cardoso, 86 anos, que estreou no teatro em 1959, no espetáculo Plantão 21, dirigido por Antunes Filho. “Mas, além disso, o que também me motivou foi dividir o palco com colegas da mesma geração.”

A identificação, de fato, foi essencial. “Todos compartilhamos memórias comuns, o que raramente acontece, pois quase sempre dividimos o palco com atores mais jovens, a maioria sem conhecimento do nosso passado artístico”, comenta Gabriela Rabelo, que estreou profissionalmente no Teatro de Arena, em 1967. “Isso torna o convívio mais próximo.”

O mesmo motivo atraiu Miriam Mehler, 78 anos, também integrante do Arena no qual participou da clássica montagem de Eles Não Usam Black-Tie, em 1958. “Meu espetáculo anterior, Oscar e a Sra. Rosa, foi um monólogo que, apesar do delicioso desafio de enfrentar sozinha o palco, me deixava angustiada por também estar só no camarim”, observa. “Agora, eu mes sinto acompanhada, mas o sossego termina em cena porque o texto do Odilon provoca verdadeiros embates.”

Além do desafio cênico enfrentado por todos, Etty Fraser soma outro mais: com dificuldade para andar por conta de um pequeno acidente sofrido há alguns anos, ela vai utilizar uma cadeira de rodas motorizada. “Mas não quero que isso desvie a atenção do público”, garante ela, 80 anos, atriz integrante da primeira fase do Teatro Oficina, estreando em 1959.

Se começa com um prosaico jogo de bingo, a peça transforma-se em um ajuste de contas quando um dos personagens precisa desabafar. “Aí, gavetas enferrujadas são abertas”, compara Sylvio Zilber, 77 anos, que estreou em 1961 com José do Parto à Sepultura, dirigido por Antonio Abujamra. A sucessão de surpresas culmina com um desfecho também inesperado, protagonizado por Marlene Collé, há anos vivendo nos bastidores do teatro e hoje camareira contratada do Teatro Municipal. “Sua presença serve como homenagem aos profissionais que, por trás da cena, ajudaram a construir a história do nosso teatro”, comenta Wagner, que reservou para Marlene, no desfecho do espetáculo, uma rara oportunidade de projetar a voz – por ser surpresa, não convém aqui revelar.

Os desafios são grandes, pois A Última Sessão busca, entre outros assuntos, tocar também num dos poucos temas verdadeiramente tabus da contemporaneidade: o sexo na terceira idade. “O desejo ainda pulsa, está presente e é mostrado de uma forma delicada”, conta o autor/diretor. “A maturidade nos deixa mais maleáveis em relação a vários assuntos, como preconceito, diferenças sociais, afetividade e também o sexo”, observa Nívea Maria que, aos 66 anos, completa agora meio século de carreira, construída notadamente em novelas de televisão. “Mas, como diz minha personagem na peça, nosso sangue ainda ferve.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.