Atores dançam no céu do Anhangabaú

O Strange Fruit, grupo australiano formado por oito bailarinos-atores-ginastas, coloriu o céu de São Paulo no começo da tarde de ontem. Eles apresentaram a peça The Field (O Campo) no Vale do Anhangabau, região central da cidade, para cerca de 2 mil pessoas que passavam pelo local. Equilibrados em mastros de 4,5 metros de altura, os atores puderam ver a cidade de São Paulo de um ângulo privilegiado. O ator Scott McBurnie, de 21 anos, estava eufórico com a experiência. "Pude ver a cidade toda e aquele monte de gente vibrando", exagera o ator, que está há dois anos trabalhando com o grupo. Pela primeira vez em São Paulo, os integrantes da trupe disseram ter ficado encantados com a reação e o interesse do público brasileiro pelo trabalho apresentado. "A peça não tem texto, mas as pessoas queriam entender a história. Elas gritavam, batiam palmas e tentavam encostar nos artistas quando eles faziam movimentos no mastro que os aproximava do solo", contou a produtora do Strange Fruit, Jillian Jugdes. Os mastros são feito de fibra de vidro e combinam resistência e flexibilidade, o que permite que os artistas façam movimentos para frente e para trás e também sobre o próprio eixo, compondo múltiplas coreografias. A trupe volta hoje ao Vale, às 18h30, para repetir a performance. Eles estarão também no Sesc Santo André amanhã, no Sesc Belenzinho no sábado e no Sesc Itaquera, no domingo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.