Ator sofre "estafa nervosa" e é expulso de avião

Todo amarrado com cordas, cordões de sapato e cintos. Foi assim que André Gonçalves deixou o avião da Varig, que fazia o trajeto São Paulo-Nova York, na madrugada de segunda-feira. O ator, de 25 anos, expulso da aeronave no Aeroporto Internacional de Belém, depois de provocar confusões durante a viagem, chegou ao Hospital das Clínicas da capital paraense ainda imobilizado, e foi levado diretamente para o setor de psiquiatria.O chefe da clínica psiquiátrica, Marupiara Duarte, limitou-se a dizer, em nota oficial, que André foi vítima de uma reação transitória e de estafa nervosa. Depois de medicado e de algumas horas de descanso, foi liberado, às 14 h da segunda - inclusive para continuar sua viagem para Nova York, onde chegou ontem. André viajou aos Estados Unidos para comprar direitos autorais de uma peça que pretende produzir no Brasil em 2002.A cunhada do ator, que se identificou como Carla, acredita que o descontrole emocional de André - ele gritou, agrediu e cuspiu nos passageiros e comissários - pode ter sido provocado pela mistura de tranqüilizantes para relaxar durante o vôo com bebidas alcoólicas. Uma crise de síndrome de pânico ou de claustrofobia foi descartada, já que o ator não tem antecedentes nesse sentido.Pessoas ligadas ao ator comentam que ele está pensando em processar a companhia aérea por ter aterrissado em Belém, impedindo-o de seguir viagem. Segundo o superintendente da Polícia Federal em Belém, delegado José Ferreira Salles, o incidente ocorreu por volta das 3 h de segunda-feira. "Nossa equipe de plantão no aeroporto, composta por três agentes e um contigente de policiais, foi acionada pela Infraero para retirar de bordo um passageiro que estava causando transtornos devido a uma excitação psicomotora. A alegação era de que ele estava cuspindo nas pessoas, agredindo física e verbalmente passageiros e tripulação. Quando nossos agentes chegaram à porta de saída da aeronave, ele já estava lá, de pé, todo amarrado, segundo soubemos, por passageiros e alguns integrantes da tripulação, que conseguiram imobilizá-lo. Mas continuava cuspindo, xingando e ameaçando quem chegasse perto", contou o delegado.Medida extrema - O delegado disse que há registros de casos de interrupções de vôos por problemas de saúde dos passageiros, mas é uma medida extrema: "Se o comandante do vôo 8864 julgou por bem interromper a viagem, deve ter tido motivos sérios". Segundo a assessoria de comunicação social da Varig, a empresa retirou o passageiro, mas não o desamparou, mesmo que com isso a viagem tenha sofrido um atraso de quase uma hora. Esclareceu ainda que a aeronave pousou em Belém porque, coincidentemente, no momento em que André começou a provocar tumultos, estavam sobrevoando a cidade, que possui um aeroporto capaz de receber um MD11 (avião de grande porte, usado no vôo 8864). A empresa não pensa em acionar juridicamente o ator.A atriz Myrian Rios, grávida de três meses de André Gonçalves, conversou com o ator, ontem, por telefone, assim que ele chegou a Nova York. Segundo Myrian, ele está chateado com a proporção que o incidente tomou na imprensa brasileira. André pretende convocar uma entrevista coletiva assim que voltar dos Estados Unidos para explicar o que realmente ocorreu. "Graças a Deus eu soube antes de a notícia ser divulgada, porque uma pessoa da família do André me ligou", comentou a atriz, que garante, depois de uma longa conversa que teve com o pai de seu segundo filho, não ter havido um incidente de maiores proporções no vôo, e sim um mal súbito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.