Ator abre fundação para estudar Mal de Parkinson

Michael J. Fox anunciou que pretende lutar publicamente contra o Mal de Parkinson, quando pediu com urgência mais fundos para pesquisas, numa coletiva de imprensa no Capitol Hill, nessa semana. O ator está deixando o seriado Spin City, e o último capítulo com sua participação irá ao ar nos Estados Unidos nessa quarta."Meu objetivo é encontrar uma cura para a doença em menos de dez anos", disse Fox ao comunicar a criação da Michael J. Fox Foundation for Parkinson´s Research (Fundação Michael J. Fox para Pesquisa do Mal de Parkinson). O novo grupo irá juntar forças com a Parkinson´s Action Network. "A comunidade científica e eu acreditamos que com um investimento significativo na pesquisa sobre o Mal de Parkinson, novas descobertas e melhorias nas estratégias de tratamento estarão cada vez mais perto", afirmou o ator. Fox ainda adicionou: "eu me tornei um expert sobre a doença. Eu sei mais sobre ela do que qualquer um, e sinto que posso representar de modo geral as pessoas que sofrem disso".Fox chamou a sociedade americana para colaborar na luta contra a doença através de contribuições e abaixo-assinados ao Congresso, requisitando um aumento no fundo para a pesquisa. Ele disse que tem esperanças de que em cinco anos novas descobertas científicas possam resultar numa melhoria dos tratamentos clínicos.O Mal de Parkinson é uma progressiva degeneração do sistema nervoso central. Seus sintomas podem ser tremores, rigidez ou distensão musculares. Em seu estágio final, a doença costuma deixar pessoas, geralmente depois dos 50 anos, incapazes de andar ou falar.Fox, 38 anos, não revelou sua doença à público quando foi diagnosticado em 1991. Ele disse que na época encarava a doença como seu próprio inimigo pessoal. Mas a partir de 1998, Fox resolveu divulgar sua condição numa edição da revista americana People, e fez várias campanhas relacionadas ao Mal de Parkinson. "Do dia para noite deixei de ser paciente para me tornar um representante da causa", disse ele. Em setembro do ano passado, Fox foi a uma auditoria do Congresso para arrecadar US$ 75 milhões para trabalhos de pesquisa.No começo desse ano, o Comitê de Apropriações do Senado aprovou US$2,7 bilhões de aumento no caixa para institutos relacionados à pesquisa médica, tendo em vista agilizar os estudos sobre o Mal de Parkinson e outras doenças.O presidente do comitê, William Young, assegurou que a iniciativa era estritamente ligada à preopcupação do Congresso com a causa. "Nosso acordo reforça o que já falamos. Estamos empenhados em livrar a humanidade dessas doenças terríveis", disse Young.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.