Ato de Gerald Thomas vai parar no STF

Acostumados a analisar temasabstratos, como a constitucionalidade de leis e emendas, mas que dizem respeito a pontos importantes da vida de todos os cidadãos, osministros do Supremo Tribunal Federal (STF) estão diante de umprocesso excêntrico - e nada relevante. Os integrantes da 2ª Turma do STF começarama julgar hoje um habeas-corpus pedido pelo diretor de teatroGerald Thomas que, em reação às vaias da platéia carioca queassistia a uma montagem da ópera Tristão e Isolda, no TeatroMunicipal do Rio, abaixou as calças e mostrou as nádegas e a cueca verde. Com aação, Gerald Thomas pretende se livrar da possibilidade de serprocessado pelo ato. Relator do habeas-corpus no STF, o ministro CarlosVelloso concluiu que o gesto poderá ser considerado obsceno. Poresse motivo, ele votou contra as pretensões do diretor deteatro. Velloso observou que a evolução cultural da humanidadefez com que a nudez fosse apresentada freqüentemente nos veículos decomunicação. Mas ele afirmou que, nem por isso, o ato deixa deser ofensivo ao pudor público. Depois desse voto, o julgamentofoi interrompido por um pedido de vista do ministro GilmarMendes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.