Evan Agostini/AP
Evan Agostini/AP

Ato beneficente de Paris Hilton termina com fotógrafa acusada de desordem

Socialite quis evitar fotografias em ato pelas famílias de soldados do exército

EFE

18 de fevereiro de 2011 | 17h25

 Um ato beneficente de Paris Hilton em uma estação de ônibus de Nova York terminou com uma fotógrafa do jornal The New York Times acusada de alteração da ordem pública e assédio, informou o próprio veículo em sua edição digital.

Paris compareceu junto a um grupo de amigas na quinta-feira ao local para participar de um ato beneficente em apoio a famílias de soldados, mas quis evitar que fossem tiradas fotografias, por isso que o evento foi fechado à imprensa.

Segundo o jornal, a fotógrafa Karly Domb Sadof tirou fotos de Paris através de uma janela.

Enquanto os policiais tentavam evitar que Karly fotografasse Paris, uma multidão se reuniu em torno delas e, supostamente, a fotógrafa empurrou um policiai, segundo as declarações de um porta-voz da Polícia ao The New York Times.

Embora a fotógrafa tenha negado que empurrou o agente e este, aparentemente, não tenha recebido assistência médica, as autoridades acusam Sadof de alteração da ordem pública e assédio.

O jornal afirmou que Paris chegou ao evento com quase duas horas de atraso, mas mesmo assim - e apesar dos protestos de alguns presentes - recebeu uma felicitação por seu 30º aniversário de um soldado que preparou um bolo para ela.

Tudo o que sabemos sobre:
Paris Hiltoncelebridades

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.