Ataque cardíaco precoce pode se relacionar com obesidade

Um estudo realizado ao longo de 10 anos pela renomada Clínica Mayo, em Rochester, estado norte-americano de Minnesota, constatou que pessoas obesas correm o risco de sofrer ataques do coração bem mais cedo do que aquelas cujo peso é considerado normal. Segundo o cardiologista Scott Wright, o estudo ressalta o vínculo direto entre obesidade e os ataques prematuros, ainda que sejam levados em consideração outros fatores de risco.O estudo concluiu que os pacientes acima do peso vitimados por ataques cardíacos eram, em média, 3,6 anos mais jovens do que seus contemporâneos com peso normal. No caso de obesos, o problema ocorreu ainda mais cedo, 8,2 anos antes. "Uma vez que estamos nos transformando em uma sociedade acima do peso, o que parece normal pode não ser saudável. Nosso estudo mostra que os quilos a mais elevam o risco de um ataque cardíaco prematuro", disse Wright. De acordo com o Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, o número de adultos obesos no país aumentou em 60% nos 10 últimos anos, o que levou as autoridades a classificar o problema como epidêmico. "Os pacientes obesos também tendem a apresentar problema de hipertensão, colesterol alto e diabetes. E muitos acreditam que esses fatores são os vilões do número mais alto de ataques cardíacos entre os obesos, e não a obesidade em si", analisou Wright.SintomasO sintoma mais importante e típico é a dor ou desconforto intenso retroesternal (atrás do osso esterno) que é muitas vezes é referida como um aperto, opressão, peso ou queimação, podendo irradiar-se para pescoço, mandíbula, membros superiores e dorso. Freqüentemente esses sintomas são acompanhados por náuseas, vômitos, sudorese, palidez e sensação de morte iminente. A duração é superior a 20 minutos.Pacientes diabéticos, idosos e as mulheres têm maior probabilidade de apresentarem uma dor ou desconforto atípico, ou seja, com características e intensidade diferentes da descrição acima. É possível a ocorrência do enfarte sem dor. Este é o chamado enfarte silencioso, que só será identificado na fase aguda se, por coincidência, um eletrocardiograma ou uma dosagem de enzimas cardíacas for feita enquanto ele ocorre.Fatores de riscoEm certos grupos o risco de enfarte é maior do que na população em geral, como:*Pessoas com idade acima de 40 anos *História familiar positiva *Dislipidemia *Tabagismo *Hipertensão arterial *Obesidade *Sedentarismo *Diabetes mellitus

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.