Assassino de Lennon diz que não merecia ser solto

Mais detalhes sobre o veto à liberação de Mark Chapman foram divulgados ontem. O assassino de John Lennon disse ao comitê que estava analisando o caso que ele "nem deveria estar vivo". "Não sou eu que devo julgar se deveria estar solto. "Ele disse que só há pouco tempo entendeu o tamanho da dor que causou a Yoko Ono, com seu crime "deplorável". A sessão foi fechada à imprensa e uma transcrição foi divulgada ontem aos jornalistas americanos. Chapman disse ainda que tinha uma lista de duas ou três outras celebridades que ele pretendia matar, mas os nomes foram retirados da transcrição, por medida de segurança. Uma nova avaliação vai ser feita em dois anos. Chapman já cumpriu 20 anos de pena.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.