As melhores peças de 2000 a preços populares

A partir de sábado não vale mais a desculpa do alto custo do ingresso para ficar longe do teatro. Por iniciativa da Secretaria Municipal de Cultura, o chamado Mês Teatral coloca à disposição do público, em cinco teatros da cidade, 17 montagens teatrais selecionadas entre as de maior sucesso apresentadas na temporada de 2000. O preço do ingresso é único - R$ 5,00 - para todos os espetáculos.As sessões serão realizadas de terça a sábado, às 21 horas, e aos domingos, às 19 horas, com exceção de Prêt-à-Porter 3, que terá duas sessões aos domingos, às 17 e 19h30. Dependendo da produção em cartaz, é possível que o espectador enfrente alguma fila, uma vez que os ingressos são vendidos somente nas bilheterias do teatro e para o espetáculo do dia.Teatro Municipal - Não é possível reservar ou comprar com antecedência e cada espectador poderá adquirir no máximo seis ingressos, uma forma de tentar manter longe da programação a praga dos cambistas. A bilheteria dos teatros estará aberta a partir das 14 horas, exceto a do Teatro Municipal, que abrigará, em fevereiro, a peça A Megera Domada, com Marisa Orth no elenco.A equipe de seleção foi feliz na escolha da grande maioria dos espetáculos. Louve-se ainda a ousadia de não se restringir a critérios como elenco de renome. Espetáculos como Filhos do Brasil e Um Credor da Fazenda Nacional, este último em cartaz já neste fim de semana, no Teatro Paulo Eiró, ainda que não tenham "atores famosos" no elenco, sem dúvida estão entre os melhores apresentados em nossos palcos no ano passado. E, em suas respectivas carreiras, alcançaram sucesso não só de crítica, mas principalmente de público.Dirigido por Georgette Fadel, Um Credor da Fazenda Nacional, do dramaturgo gaúcho Qorpo Santo, tem como principal personagem um sujeito que tenta receber um dinheiro que lhe é devido. Tendo como arma "apenas" um documento emitido pela Fazenda Nacional que, a princípio, prova ser ele o credor da dívida, o personagem tenta penetrar nos labirintos da burocracia de uma repartição pública. Uma via-crúcis acompanhada pelo público num espetáculo itinerante a um só tempo bem-humorado, desconcertante e de fácil identificação por parte de qualquer ser humano que já tenha enfrentado a infernal e enlouquecedora burocracia brasileira.Nélson Rodrigues - Imperdíveis são ainda os espetáculos A Serpente, criação do Grupo Tapa, e Anjo Duro, que marca o retorno aos palcos da atriz Berta Zemel, também em cartaz neste fim de semana. A Serpente, de Nélson Rodrigues, conta a história de triângulo amoroso com duas irmãs, que casaram na mesma igreja, no mesmo dia e moram no mesmo apartamento e o marido de uma delas. Anjo Duro conta a trajetória da psiquiatra Nise da Silveira, a mulher que lutou contra o tratamento desumano nos hospitais psiquiátricos. Uma história real contada com sensibilidade, intensidade e raro talento pela premiada Berta, uma atriz brilhante que esteve por 25 anos afastada dos palcos.Com elenco já consagrado do grande público, a peça Crimes Delicados está entre as que abrem a programação. Nicette Bruno dança até rap nessa comédia macabra dirigida por Abujamra, com Bárbara Bruno e Paulo Goulart completando o elenco.

Agencia Estado,

18 de janeiro de 2001 | 17h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.