As inúmeras atividades do ator Lázaro Ramos

Lázaro Ramos parece o multi-homem - quem vai ao cinema, consegue encontrá-lo em trailers do filme Ó Paí,Ó, de Monique Gardenberg, que estréia na sexta-feira. Na televisão, seu mais recente trabalho, o Foguinho da novela Cobras & Lagartos, lhe rendeu o prêmio de melhor ator segundo a APCA, troféu que ele recebe na noite desta quarta, 26, no Teatro Rui Barbosa. E, no dia 12 de abril, o incansável Lázaro estréia a peça O Método Grõnholm, no Teatro das Arts, no Shopping Eldorado. A versatilidade já se tornou uma marca em sua carreira. Ele surgiu no Olodum, em Salvador. Foi para o Rio disposto a fazer carreira no teatro. Logo no início, alternou um trabalho no palco, com a peça A Máquina, dirigida por João Falcão, e os filmes Madame Satã, O Homem do Ano e As Três Marias. Lançado primeiro, Madame Satã alçou-o ao sucesso e lotou sua agenda, tomada por novelas e outros longas. O teatro, ponto de origem de sua carreira, ficou deslocado por conta de tantas atividades, o que aumenta sua perspectiva de retorno com O Método Grõnholm. Escrita pelo espanhol Jordi Galceran, a peça tornou-se um grande sucesso em diversas cidades da Espanha, Portugal, Alemanha Argentina, Venezuela, Peru, México. "A história mostra a degradação do homem oprimido pelo poder capitalista. São quatro candidatos a uma vaga para a direção comercial de uma multinacional e a peça retrata o processo de seleção, que é super reprimido", contou ele, em uma entrevista. De fato, a relação de quatro pessoas que disputam uma vaga de alto cargo executivo numa importante multinacional. O método utilizado? O Grõnholm: fechados em uma sala, os candidatos têm de descobrir quem é o agente da empresa infiltrado entre eles, além de outras provações e provocações. A idéia, como metáfora das relações humanas, aproveita para brincar com todos os níveis possíveis: a pressão imposta, o jogo de palavras, a dissimulação, a tentativa de destruição do concorrente, a disputa pela sobrevivência. Enfim, a situação real do mundo competitivo que vivemos, que olhado de fora, vira uma comédia. O curioso é que todas as provas às quais os candidatos são submetidos foram inspiradas em técnicas reais de seleção pessoal, documentadas em velhos livros escritos por especialistas sobre o assunto. A idéia nasceu de um episódio real - em um cesto de lixo em Barcelona, foi encontrado um documento em que um funcionário do departamento pessoal de uma empresa anotara suas opiniões sobre os candidatos a uma vaga de caixa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.