As inquietações de Wesley

Mostra feita como tributo ao controverso artista promove seu reencontro com o público carioca

Camila Molina, enviada especial

18 Julho 2010 | 22h25

'As Circunstâncias e Seus Guardiães'. Foto: Fábio Motta/AE

 

RIO - É uma frase mentirosa, reconhece, mas a usa mesmo assim o marchand e diretor da Pinakotheke Cultural, Max Perlingeiro: "Wesley Duke Lee nunca expôs no Rio de Janeiro." É que, apesar de terem sim ocorrido na cidade carioca, desde 1964, mostras do artista paulistano, há uma sensação de que ele tenha sempre feito mais ‘barulho’ em São Paulo.

 

Como em outubro de 1963, quando Wesley criou, literalmente, estardalhaço com o happening Grande Espetáculo das Artes no João Sebastião Bar, na Rua Major Sertório, na capital paulista - nele apresentava para uma multidão desenhos eróticos da Série das Ligas vistos com lanternas em meio a um strip-tease. Ou ainda, quando fundou em São Paulo, em 1966, com outros artistas, a Rex Gallery (leia mais no texto abaixo), espaço alternativo em que se propunha nova relação de mercado de arte.

 

"Estava sempre cheio de ideias. Para ele, tudo se resumia em festa", diz agora Max Perlingeiro, que conheceu o artista, "um personagem de terno e chapéu, um dândi, mas um homem sempre à frente de seu tempo", como diz, em 1968, na Petite Galerie do Rio. Desde então, muitos anos se passaram e apenas em 2006 o marchand, curador e editor veio a São Paulo encontrar Wesley novamente e lhe propor a realização de uma grande mostra com suas obras para o público carioca.

 

O projeto rendeu frutos e amanhã será inaugurada na sede da Pinakotheke Cultural, um casarão da década de 1910 no bairro de Botafogo, no Rio, a exposição Wesley Duke Lee, que reúne 65 obras do controverso e irreverente artista, tão amado por uns - e mestre de criadores como Carlos Fajardo, Frederico Nasser, José Resende e Luiz Paulo Baravelli - e tão criticado por outros (durante a ditadura, por ser deliberadamente ligado aos EUA - seu avô era americano - e considerado um ‘alienado’ de direita). Tanto que em 1964, como define a historiadora Cacilda Teixeira da Costa, Wesley se sentiu "hostilizado" no Rio, "sobretudo por motivos ideológicos", pelo grupo de criadores que propunha novas formas de criação - entre eles, por Lygia Clark, Lygia Pape e Ivan Serpa, "mas não por Oiticica". Entretanto, diz Cacilda, os integrantes da geração seguinte, de Antonio Dias, Gerchman e Vergara, o receberam bem e foram influenciados por sua obra.

 

A mostra atual, é assim, mais um reencontro do "salmão na corrente taciturna", como definiu o historiador Walter Zanini, ou seja, de Wesley, nome essencial em se tratando das décadas de 1960 e 1970 no Brasil, com o Rio.

 

Total

 

Tributo, a mostra organizada por Perlingeiro, que entrevistou diversas pessoas ligadas ao artista em sua pesquisa, é uma boa oportunidade de se acompanhar toda a carreira de Wesley Duke Lee - hoje com 78 anos e enfermo, com o mal de Alzheimer -, passando por criações como desenhos, pinturas, "obras ambientais" e objetos realizados entre 1952 e 1999, algumas delas pontuais como o tríptico O Nome do Cadeado É: As Circunstâncias e Seus Guardiães (66); A Zona: Considerações. Retrato de Assis Chateaubriand (68); os desenhos da Série das Ligas (63), os da Zona (65) e os da Caligrafia (1977), as criações de sua "fase lisérgica", de 64.

 

Uma das passagens especiais da mostra na Pinakotheke - que, curiosamente, por ter como espaço expositivo os cômodos do casarão antigo tombado, se torna uma exposição intimista - é a sala dedicada ao emblemático happening Grande Espetáculo da Arte, de 1963. No João Sebastião Bar, além dos desenhos das Ligas e de um strip-tease às avessas, era exibido um filme em que a pintora Maria Cecília Gismondi andava pelas ruas de São Paulo vestida de gala, numa performance registrada em película pelo fotógrafo Otto Stupakoff (os dois eram companheiros de Wesley no "movimento do realismo mágico"). O filme se perdeu, mas Perlingeiro encontrou fotografias inéditas (uma delas no destaque) que um assistente de Stupakoff realizou como making of da performance. A sequência de imagens se transformou em um filme que possibilita uma recriação do espírito do happening.

 

É uma exposição completa, levando-se em conta que em 1992 houve retrospectiva do artista no Masp, apresentada também no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio. Mostra feita agora quase em sua totalidade com obras de coleções particulares brasileiras e estrangeiras, coloca também a biografia de Wesley, o "realista mágico" como inúmeras vezes ele próprio se define, e criador de alter egos - por meio de fotos, documentos, vídeos com depoimentos de entrevista do artista concedida à TV, cartas de amor que trocou com Lydia Chamis, a máscara de Noh que ganhou como prêmio na Bienal de Tóquio, em 1965. Acompanha, ainda, a mostra o livro Wesley Duke Lee (Edições Pinakotheke, 164 págs., R$ 110), com textos de Perlingeiro, Thomaz Souto Corrêa, dos artistas Nelson Leirner, Antonio Dias e Carlos Vergara e cuidadosa cronologia feita por Cacilda Teixeira da Costa, especialista na obra de Wesley.

 

Polêmico, sedutor, inquieto, bem-humorado, crítico e atualmente "muito cobiçado" no mercado, como diz Perlingeiro, exemplificando que um desenho do artista da Série das Ligas está avaliado em US$ 20 mil, Wesley Duke Lee teve sua formação em publicidade e propaganda nos EUA. A mostra ressalta toda a gênese de sua arte, destacando as reverberações do pop americano em suas criações, os conceitos de Duchamp e ainda um fascínio pelas artes clássica e oriental.

 

Wesley Lee Duke

Desenhista, pintor, gravador, artista gráfico e professor, nasceu em dezembro de 1931 em São Paulo, onde vive. Teve ainda como formação a publicidade nos EUA.

Mais conteúdo sobre:
Wesley Duke Lee artes exposição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.