As duas melancolias de Trier

Lars von Trier, Peter Greenaway e David Lynch constituem minha atual Santíssima Trindade cinematográfica. Seus filmes me proporcionam a inestimável sensação de novidade e descoberta, trazendo de volta a excitante expectativa que me despertava a notícia do lançamento de um novo filme de Fellini, Antonioni, Pasolini, Visconti, Truffaut, Chabrol, Goddard, Bergman, nos remotos tempos de faculdade e cineclube.

Sérgio Telles, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2011 | 00h00

Com tal estado de espírito fui à pré-estreia de Melancolia, o filme de Lars von Trier lançado no último Festival de Cannes.

Em Melancolia, Trier nos apresenta sua versão do fim do mundo. Antecedidas pelas soturnas, oníricas e memoráveis imagens de abertura gravadas em extrema câmara lenta (como também no início de Anticristo) e que se sucedem ao som do prelúdio de Tristão e Isolda de Wagner, a história se divide em dois episódios, intitulados com o nome de duas irmãs, Justine (Kirsten Dunst - Palma de Ouro de melhor atriz em Cannes) e Claire (Charlotte Gainsbourg). O que une os dois episódios é a crescente ameaça trazida pelo imenso planeta Melancolia, que parece estar em rota de colisão com a Terra, o que provocaria uma hecatombe definitiva.

No primeiro, seguimos o casamento de Justine, uma publicitária em luta desesperada contra a depressão, cuja festa foi promovida pela convencional irmã Claire e seu marido milionário. Que tudo vai dar mal é anunciado pela visão da imensa limusine entalada nas curvas da estreita e sinuosa estrada, impedida de levar os noivos ao castelo onde os convidados os aguardam. O casamento, ritual amoroso de perpetuação da espécie e celebração da vida, é destruído na própria festa. Os pais da noiva se agridem publicamente e ridicularizam a cerimônia, a própria Justine se comporta de forma inadequada e imprevisível.

A segunda parte se dá tempos depois do casamento. Justine, em forte depressão, é acolhida pela irmã no castelo onde se realizara o casamento e acompanha, inicialmente de forma distanciada e indiferente, a angústia de Claire frente à ameaça cósmica trazida pela aproximação do planeta Melancolia. Justine e o cunhado não levam a sério o medo de Claire e tentam acalmá-la, convencendo-a que não ocorrerá a temida colisão do planeta com a Terra. Os papéis agora estão invertidos. Se, no primeiro episódio, Claire cuidava de Justine, agora é Justine que, recuperada de seu quadro melancólico, passa a cuidar de Claire.

Melancolia é, sem dúvida, um grande filme, mas aquém de outras criações de Trier como Anticristo, Manderlay, Dogville, Dançando no Escuro e Os Idiotas - obras que aliam à inventividade formal uma trama complexa, cheia de estimulantes enigmas a serem decifrados. Melancolia é uma parábola transparente e linear, onde tudo está exposto diretamente. Por isso mesmo talvez seja o filme onde o pessimismo desiludido do diretor se expressa de forma mais radical. Ao contrário dos outros filmes, nos quais a destrutividade e a loucura atingem apenas alguns personagens, ínfima fração da humanidade, em Melancolia é a própria raça humana que está em vias de extinção.

A melancolia é a forma mais profunda de depressão. É o quadro clínico onde a pulsão de morte se manifesta de forma mais explícita. Nela, dizia Freud, o superego é uma "pura cultura da pulsão de morte", pois se apresenta com um rigor enlouquecido e sadicamente ataca o ego, que, debilitado, não consegue reagir e se submete de forma masoquista ao ataque. O resultado é o abandono da alegria de viver, o desejo de autodestruição como disfarce do ódio e da violência dirigidos contra tudo e todos. Tânatos induz à morte individual (suicídio ou homicídio) ou em massa (guerras, genocídios, "limpezas étnicas", fanatismos político-religiosos). Em casos menos extremados, provoca desastrosas escolhas de vida, com consequências danosas para aquele que as fez e para todos que com ele envolvidos.

Assim, ao colocar o planeta Melancolia como ameaça à preservação da vida na Terra, mais uma vez Trier está psicanaliticamente correto. O que coloca a vida em perigo é a pulsão de morte, Tânatos, a destrutividade que habita cada um de nós. Ela precisa ser mesclada com Eros, com a libido, com o amor, o que a neutraliza e impede de produzir seus efeitos anuladores da vida.

É interessante que Trier represente o poder letal da melancolia, ou seja, da pulsão de morte, como algo que provém dos confins do espaço sideral, uma ameaça cósmica externa, quando, pelo contrário, ele está muito próximo, no íntimo de cada um.

Vale lembrar que Justine é a heroína de Sade, vítima de intenso sadismo sexual por parte de seus algozes. Na Justine de Trier, a violência sadomasoquista não mais se dá entre pessoas no mundo externo. Está internalizada, parcialmente dessexualizada, encenada no palco de seu psiquismo, no masoquismo moral com que se deixa torturar pelo superego sádico.

É sabido que Trier padece de episódios melancólicos, quem sabe decorrência de sua atribulada infância. Seus pais eram "nudistas e comunistas", como disse em entrevistas, e achavam errado colocar qualquer limite, restrição ou proibição para seus filhos. Em seu leito de morte, a mãe lhe revelou que não era filho do homem falecido anos antes e que até então considerara como pai, o judeu Trier. Seu verdadeiro pai era Fritz Michael Hartmann, de família católica de origem alemã, conhecida pelos vários membros que se tornaram renomados músicos. Trier teve apenas quatro encontros com o pai biológico, após os quais este se recusou a manter contato com o filho. Esta transmutação de um pai judeu em um outro alemão, poderá ter sido o pano de fundo de sua infeliz entrevista em Cannes, quando ironicamente se disse "nazista", desencadeando uma onda de protestos a ponto de ser considerado "persona non grata" do festival, acontecimento que abordei anteriormente nesta coluna. De qualquer forma, podemos pensar que sua atitude, que prejudicou seu filme e a si mesmo, é um exemplo da autodestrutividade própria da melancolia.

Mas o que importa é que Trier pôde transformar sua melancolia no filme Melancolia, mostrando sua capacidade sublimatória, marca maior de um grande artista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.