As diversas faces de Plínio Marcos

Histórias do dramaturgo são contadas pelo filho, Leo Lama, durante evento

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2010 | 00h00

Histórias de Plínio Marcos contadas pelo seu filho, o também dramaturgo Leo Lama, vão dominar o final da tarde de hoje a programação da etapa paulistana do Circuito Interações Estéticas, que vai ocupar o prédio da Funarte. Acompanhado de um trio, Lama vai apresentar poemas e canções, de autoria dele e de Plínio, a partir das 17 horas, antecipando o Cine Teatro Brasil, programação de filmes com estreito diálogo com as artes cênicas, o teatro e a dança.

As histórias de Plínio Marcos continuarão em voga - em dezembro, o cineasta Julio Calasso inicia a produção de Nas Quebradas do Mundaréu, cinedocumentário produzido em trabalho coletivo que pretende apresentar todas as fases renovadoras do dramaturgo, autor de obras já consideradas clássicas como Dois Perdidos Numa Noite Suja. "Queremos mostrar o que o tornou transgressor no século passado e o que essa etiqueta representa no atual", conta Calasso que, na pré-produção, já conseguiu um vasto material de imagens.

A apresentação de Leo Lama promove, assim, uma ponte entre o trabalho que está por vir sobre Plínio com o já existente sobre outros criadores, que é a fonte principal do Cine Teatro Brasil. Depois de passar por Rio e Goiânia, a caravana volta a São Paulo com seus documentários (alguns incompletos) com cenas raras - desde a famosa montagem de O Balcão, de Jean Genet, dirigida por Victor Garcia e produzida por Ruth Escobar, até os experimentos videográficos da contemporânea Cia. do Latão. Há ainda cinebiografias, dos diretores Antunes Filho e Flávio Rangel, e documentários sobre a trajetória de companhias, como é o caso do Grupo Tá na Rua, de Amir Haddad.

Interações. O Cine Teatro Brasil vai ocupar o horário entre 17 e 19 horas, até domingo, quando terminar o Circuito Interações Estéticas. Trata-se do encontro entre diversos profissionais das artes, que vão relatar suas experiências conquistadas em residências artísticas realizadas em Pontos de Cultura, grupos responsáveis por articular e impulsionar atividades já existentes em diversas comunidades.

Assim, o programa oferece a oportunidade de se conhecer o trabalho de Adriana Amorim, que incentiva os jovens a utilizarem a fotografia como instrumento de observação das atividades culturais. Ou ainda O Romance do Vaqueiro Benedito, trabalho do grupo Invenção Brasileira, do Distrito Federal, que estimula brincadeiras com bonecos de mamulengo e babau, entre outros.

Ainda hoje, às 19 horas, haverá a apresentação de A Cabeça dos Bichos, contação de histórias infantis em que representantes da fauna brasileira se reúnem para eleger o novo rei dos animais. Em cena, a Cia. Farta, de Paulo Gandolfi.

Na programação de hoje, o Circuito Interações Estéticas prevê também o lançamento de três livros editados pela Funarte: Batalha da Quimera, de Sebastião Milaré, sobre a trajetória do dramaturgo Renato Vianna; Angel Vianna, organizado por Suzana Saldanha e que traz ensaios de profissionais de várias áreas sobre o trabalho da bailarina, coreógrafa e pesquisadora; e I Catálogo Livre do Teatro Infantil, de Karen Acioly, um registro da história do teatro infantil brasileiro.

DESTAQUES

Hoje

19 h

Prisioneiro de Uma Canção, com Leo Lama e trio

Sexta

21 h

Banda Carnavale, do Recife

Sábado

19 h

A Casa de Bernarda Alba, pelo Grupo Harém de Teatro (PI)

Domingo

9h30

Quilombo Brasil, pelo Coletivo Política do Impossível

Local

Funarte São Paulo - Alameda Nothmann, 1.058, Campos Elísios . Entrada franca. Informações (11) 3662-5177

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.