'As Aventuras de Agamenon': jornalismo mentira, humor verdade

Marcelo Adnet fala do trabalho com os cassetas em As Aventuras de Agamenon, o Repórter

FLAVIA GUERRA, O Estado de S.Paulo

06 de janeiro de 2012 | 03h08

Marcelo Adnet é referência de humor para as novas gerações do jornalismo mentira, ou jornalismo verdade com muito escracho. Mas não nega que muito de sua formação se deve a ilustres veteranos do humor nacional chamados Casseta & Planeta. Além do "jornalismo verdade", cuja faculdade frequentou, o "jornalismo mentira" foi decisivo para sua profissão. Muito por isso, viver o jovem jornalista Agamenon Mendes da Silva e dividir a cena com os Cassetas é fato especial.

Estamos acostumados à ideia de "O Casseta", como se todos fossem um grupo só. Como foi entrar para este clube e trabalhar só com dois deles?

Incrível. Jamais imaginei. Eles foram obviamente referência para minha formação. E a gente já se conhecia pessoalmente do teatro e da vida no Rio. E foi quando eu desfiz esta ideia de "Casseta, o grupo", com a qual cresci. O Helio de La Peña é o cara com quem converso sobre o Botafogo, sobre correr, natação... Com o Marcelo Madureira, falo de política; com o Hubert, falo besteira mesmo; com o Claudio Manuel, falo sobre TV, humor na televisão etc. Um dia recebi uma ligação e eles disseram que tinha a ideia de fazer um filme sobre o Agamenon e que queriam que eu fizesse o papel dele jovem. Claro que amei.

E esta história de levar o

Agamenon para o cinema

também é inusitada.

Sim. A coluna é um marco do humor brasileiro. E sem contar que escrever humor para jornal é diferente de para a TV e para o cinema. Foi um desafio e tanto. Sem contar que o humor do Agamenon escracha tudo e todos com muita coragem.

E falta humor politicamente incorreto à crônica jornalística?

Sim. Agamenon é a própria pauta. Simboliza muito o caráter brasileiro. E por isso é que traduz tão bem este caráter em suas crônicas. E o tipo de jornalismo opinativo escrachado e engraçado que ele faz, do jornalistão, que conta histórias e até vira pauta, tornou-se se algo meio passado. E foi esta caretice que me afastou do jornalismo. Sou jornalista formado pela PUC-Rio. Para mim, um cara super criativo, era muito difícil ficar no lead, quem, que, quando... Imagine a minha frustração na faculdade, um cara como eu sem poder improvisar uma virgula, dar opinião...

E o cinema? Entrou para ficar?

Cada vez mais. Estou filmando Os Penetras, de Andrucha Waddington, vai ser muito bacana. Pela primeira vez participo da confecção de um roteiro, em parceria com Eduardo Sterblitch, o César Polvilho e Freddy Mercury Prateado do Pânico na TV. O Andrucha é um cineasta apaixonado, que realmente se envolve muito e, assim, deixa todo mundo envolvido. Cinema tem a ver com isso. Cinema, paixão, família. Isso me faz pensar em um dia fazer um filme meu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.