Daniela Ramiro/ESTADAO
Daniela Ramiro/ESTADAO

Artur Xexéo morre aos 69 anos no Rio

O jornalista tinha sido diagnosticado com um linfoma e na última sexta-feira, 25, teve uma parada cardíaca

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2021 | 20h47

RIO - Jornalista, escritor, cronista, autor teatral e comentarista, Artur Xexéo, de 69 anos, morreu neste domingo, 27, no Rio. O jornalista tinha sido diagnosticado com um linfoma não Hodgkin de células T há duas semanas e na última sexta-feira, 25, teve uma parada cardíaca. A notícia foi confirmada pela GloboNews, onde Xexéo trabalhava como comentarista do programa Estúdio I.

O linfoma não Hodgkin é um câncer que tem origem nas células sistema linfático – parte do sistema imunológico. O jornalista fez a primeira sessão de quimioterapia na última quinta-feira. Na sexta, depois de sofrer uma parada cardiorrespiratória, foi intubado, e acabou tendo um choque séptico. Ele estava internado na Clínica São Vicente, na Gávea, na zona sul.

O jornalista Ancelmo Gois, colunista do jornal O Globo, foi o primeiro a dar a notícia da morte do comentarista. Ele definiu o amigo como "um mal humorado muito engraçado", com quem trabalhou nas redações da Veja, do Jornal do Brasil e de O Globo.

"Ele era muito espirituoso, engraçado, inteligente, generoso, um dos melhores amigos que a vida me deu", afirmou Gois, em entrevista à GloboNews. "Eu acho que o jornalismo, e não só o jornalismo, mas toda a cultura brasileira, perdem um personagem importante, de grande valor. Através de seu trabalho, ele celebrou nosso cinema, nosso teatro, nossas artes. E era um grande cronista, que transformava assuntos aparentemente banais em coisas grandiosas."

O jornalista Arthur Dapieve, que também é comentarista do Programa Estúdio I, escreveu nas redes sociais sobre o colega de bancada e ex-editor: "Tenho que me despedir dele, inconformado", escreveu, lembrando que foi Xexéo quem lhe deu as boas vindas no programa da GNews que ele passou a integrar em 2018. "Foi tudo muito abrupto, muito rápido, muito sofrido."

Colunista do Jornal do Brasil e do jornal O Globo, Xexéo também teve passagens pela Veja. Desde 2015, ele participava da transmissão do Oscar na TV Globo. Ele também foi comentarista da rádio CBN, onde participava de um programa junto com Carlos Heitor Cony.

Xexéo chegou a estudar engenharia, mas acabou trocando de curso para o jornalismo. Segundo ele, foi apenas no terceiro ano da faculdade que tomou gosto pela profissão. "No terceiro ano de faculdade foi ai que eu gostei, comecei a achar aquele mundo interessante, aquele mundo fascinante, mas tudo teoricamente, não era nada na prática", disse em entrevista.

Como jornalista, ele começou a trabalhar em 1978, no Jornal do Brasil. Em 1985, virou subeditor da Revista de Domingo, suplemento cultural do JB. Em 1992 se tornou colunista do jornal, desenvolvendo um estilo próprio de texto que acabou se tornando sua marca registrada.

"Eu acho que eu passava essa impressão escrevendo", afirmou em entrevista. "'Ah, eu vejo você falando quando leio o que você escreve’' E aí eu comecei a ver as coisas que davam certo, então se tivesse mais humor, realmente agradava mais."

Em 2000, ele foi para O Globo, onde virou colunista. Foi também editor do suplemento Rio Show e do Segundo Caderno. Entre os seus livros estão as biografias "Janete Clair: a usineira de sonhos" e "Hebe, a biografia", além do livro de crônicas "O torcedor acidental".

Tudo o que sabemos sobre:
Rio de Janeiro [cidade RJ]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.