Artistas vão ao STF defender lei que permite fiscalização do Ecad

Artistas vão ao STF defender lei que permite fiscalização do Ecad

Marisa Monte, Frejat e Emicida, que disseram representar grupo de 400 profissionais, apoiam a 'correção de distorções'

Beatriz Bulla, O Estado de S. Paulo

23 de setembro de 2015 | 21h45

Os cantores Marisa Monte e Roberto Frejat e o rapper Emicida foram ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira, dia 23, para defender a manutenção da lei de 2013 que permite ao Ministério da Cultura (MinC) fiscalizar o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) e cumprimento da lei de direitos autorais.

O Ecad questiona, por meio de uma ação direta de inconstitucionalidade, a legislação e dispositivos que dizem respeito ao aproveitamento dos direitos e ao órgão. Frejat disse que o grupo conversou com ministros para defender a lei, que "corrige distorções" na gestão coletiva de direitos autorais.

"É uma lei que foi muito batalhada por todos nós. (...) Não pode existir o Ecad sem uma regulação do Estado. É por isso que o Ministério da Cultura agora atua na sua gestão coletiva e, de maneira muito positiva, temos conseguido muitas coisas boas desde então", afirmou ainda Frejat.

O grupo diz representar 400 artistas, entre os quais os maiores arrecadadores de direitos autorais do País. "Essa nova lei, na verdade, é um retorno aos princípios, porque o Ecad foi criado com órgão regulador e funcionou perfeitamente durante muitos anos", disse Marisa Monte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.