Artistas uruguaios reúnem-se contra suposto delator

Acusado pelos colegas de ser delator do regime militar no Uruguai (1973-1984), o artista plástico Gastón Villamil teve de retirar sua obra do catálogo de um leilão público porque todos os demais artistas se negaram a expor suas obras ao lado da dele e ameaçaram esvaziar o evento.A confusão, às vésperas da data marcada do leilão, dia 22, foi disparada pela denúncia de outro artista plástico uruguaio, Ernesto Vila. Ele afirma que foi Villamil quem o entregou aos militares por sua participação no grupo guerrilheiro Tupamaros, o que lhe custou seis anos na prisão e outros seis no exílio.A princípio, o organizador do leilão Juan Enrique Gomensoro se negou a retirar a obra de Villamil. Mas a Associação de Pintores e Escultores e Artistas Visuais de Uruguai, que reúne cerca de 300 artistas, decidiu apoiar em peso a denúncia de Vila e "não participar" de nenhum evento que conte com obras de Villamil, que acabou desistindo do leilão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.