WILTON JUNIOR|ESTADÃO
WILTON JUNIOR|ESTADÃO

Artistas que ocupam o Palácio Capanema, no Rio, veem com ceticismo volta do MinC

O movimento, que pede o fim do governo Temer, ocupa a sede dos ministérios da Educação e da Cultura no Rio

Vinicius Neder, O Estado de S. Paulo

21 de maio de 2016 | 20h38

RIO - Entre os manifestantes que ocupam o Palácio Capanema, sede dos ministérios da Educação e da Cultura no Rio, a decisão do governo do presidente em exercício Michel Temer de voltar atrás na incorporação entre as duas pastas foi vista com ceticismo. Segundo a atriz Ana Lúcia Pardo, integrante do movimento Ocupa MinC RJ, a decisão demonstra mais fragilidade e despreparo do que força da mobilização da classe artística.

"Qualquer que seja a decisão desse desgoverno, não reconhecemos", afirmou Ana Lúcia, que é professora de pós-graduação da Universidade Cândido Mendes e trabalhou no Ministério da Justiça nos governos Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva.

O movimento, que pede o fim do governo Temer, ocupa os pilotis e um dos andares do Palácio Capanema, ícone da arquitetura moderna nacional, que fica no Centro do Rio. 

Artistas de várias áreas têm organizado oficinas, shows e outras atividades culturais. Sexta, o palco armado nos pilotis recebeu shows de Caetano Veloso e Erasmo Carlos. Os compositores Arnaldo Antunes e Otto se apresentaram na quarta-feira. Um vídeo com músicos interpretando no local Carmina Burana, de Carl Orff, com a letra "fora, Temer", na última terça-feira, se espalhou pela internet.

Já para o ator Ney Latorroca, ouvido pelo Estado, a decisão de recriar o Ministério da Cultura foi "perfeita". "Está certo. (O ministério) tem de ficar", disse Latorraca. Segundo ele, a decisão mostra que a mobilização da classe artística deu certo. "A posição do artista é essa mesma, de vanguarda", completou.

Apesar disso, o ator não considerou a decisão de incorporar a cultura ao Ministério da Educação como uma "afronta", já que os recursos públicos destinados para a pasta são escassos. 

Latorraca aproveitou também para declarar apoio ao novo ministro, Marcelo Calero. O ator destacou que o novo ministro é jovem e diplomata. Calero é advogado e diplomata e tem 33 anos. Desde janeiro de 2015, ele era secretário municipal de Cultura do Rio. "Ele terá condições de fazer um bom trabalho", disse Latorraca, que afirmou sempre ter votado em candidatos do PSDB, como Mário Covas, Fernando Henrique Cardoso, José Serra e Aécio Neves.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.