Artistas plásticas relêem a obra de Cecília Meireles

O centenário de nascimento de Cecília Meireles(1901-1964) é comemorado no Instituto de EstudosBrasileiros (IEB) da Universidade de São Paulo com uma exposiçãoreunindo obras das artistas plásticas Renina Katz e MariaBonomi. Gravuras e desenhos das duas artistas estarão emexposição no IEB de amanhã até o dia 23 de novembro, como parteintegrante de uma série de discussões em torno da obra deCecília.Segundo o crítico literário Alfredo Bosi, "com CecíliaMeireles a vertente intimista" dos poetas modernistas"afina-se ao extremo e toca os limites da música abstrata".Ele afirma ainda, em sua História Concisa da LiteraturaBrasileira, que a autora de Solombra (1963) "parte de um certodistanciamento do real imediato e norteia os processosimagéticos para a sombra, o indefinido, quando não para osentimento de ausência e do nada".De Renina, estarão expostos cerca de 40 trabalhos produzidos apartir do Romanceiro (três gravuras acabadas), todosintegrantes da coleção do bibliófilo José Mindlin. De MariaBonomi, os originais dos desenhos que integraram uma simpáticaedição do livro Ou Isto ou Aquilo (1965), com poesias paracrianças, que já vendeu mais de 500 mil exemplares desde o seulançamento.Maria conta que chegou a mostrar os trabalhos paraCecília quando ela se tratava de um câncer em São Paulo.Desenhos que ilustram poemas como Colar de Carolina: "Comseu colar de coral/ Carolina/ Corre por entre as colunas/ dacolina./ O colar de Carolina/ Colore o colo de cal/ tornacorada a menina./ E o sol, vendo naquela cor do colar deCarolina,/ põe coroas de coral/ nas colunas da colina.""O Romanceiro é um épico, uma obra fantástica, que meapaixonou completamente", conta Renina. A artista produziu maisde 300 desenhos inspirados no poema de Cecília, mas nãoconseguiu produzir o álbum que planejara. Também não chegou amostrá-los para a poetisa. Eles ficaram na gaveta até 1978,muitos deles se perderam. Apesar de se referirem a trechos dopoema, a exposição não pode, por causa de questões que envolvemdireitos autorais, exibi-los lado a lado."É um trabalho todo figurativo", explica Renina que,posteriormente, seguiu, por meio de num mergulho na pintura, umcaminho ligado à abstração. Assim, é possível reconherclaramente a leitura da artista para personagens que estão noconsciente e no inconsciente coletivo brasileiro, como são oscasos de Tiradentes, Cláudio Manuel da Costa e a rainhaportuguesa d. Maria, a Louca (talvez uma das maisimpressionantes figuras da exposição, com seus imensos olhos eum terror desajustado).A Poeta e Duas Artistas. Obras de ReninaKatz e Maria Bonomi. De segunda a sexta, das 14 às 17 horas.Instituto de Estudos Brasileiros da USP. Av. Prof. Melo Moraes,travessa 8, 140, em São Paulo, tel. (11) 3818-3247. Até 23/11.Abertura amanhã, 18 horas; "Seminário Internacional CecíliaMeireles: 100 Anos". De terça a quinta, das 10 às 18 horas. R$20,00. Auditório da Escola de Aplicação da USP. Avenida daUniversidade, trav. 11, 220, em São Paulo, tel. (11) 3818-3919.Até quinta. Abertura amanhã, às 10 horas (programação completano site www.usp.br/iea).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.