Artistas ocupam Assembléia Legislativa

O auditório da Assembléia Legislativa, com capacidade para 260 pessoas, ficou pequeno demais para acomodar centenas de artistas que participavam da audiência pública, nesta tarde, para reivindicar a aprovação, em regime de urgência, do projeto de lei que cria o Fundo Estadual de Arte e Cultura de São Paulo. Se aprovada, a lei garantirá R$ 100 milhões anuais para pesquisa, criação e circulação de obras e atividades culturais em todo o Estado. Iniciativa de uma comissão de artistas, o projeto de lei foi elaborado pelo deputado Vicente Cândido (PT) e protocolado no início do mês passado, sob n.º 1127.As cadeiras foram insuficientes para acomodar a classe artística, que compareceu em peso, obrigando muitos a ficar em pé ou acompanhar os trabalhos no café do saguão, por meio de um telão. Na primeira fila do auditório podiam ser vistos Raul Cortez, Denise Fraga, Marco Ricca, Fábio Assunção e Chico Cabrera, este último presidente da Cooperativa Paulista de Teatro. Logo atrás, o diretor José Celso Martinez Corrêa, a dançarina Renée Gumiel, a atriz Regina Duarte, o artista plástico Antonio Peticov, os cineastas Alan Fresnot e Fernando Meirelles, integrantes de grupos teatrais como Parlapatões e músicos, entre eles Edy Rock, da Racionais MCs, e Preto Ghoez, do Clã nordestino.Segundo o deputado Vicente Cândido, a aprovação da lei é possível, pois R$ 100 milhões representam 0,5% da arrecadação do ICMS. ?Na indústria, esse investimento geraria 3 mil empregos; na cultura, 16 mil. Nenhum robô pode substituir uma atriz como Denise Fraga no programa Retrato Falado?, argumentou.Para entrar em vigor no próximo ano, a lei tem de ser votada até o dia 15. ?Vai ser muito difícil?, advertiu o deputado Luiz Gonzaga Vieira (PSDB), presidente da Comissão de Finanças e Orçamento.

Agencia Estado,

02 de dezembro de 2003 | 21h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.