Artistas lamentam morte de Carequinha

Renato Aragão, comediante - "O palhaço Carequinha foi um brasileiro de valor inestimável. Através de seu jeito simples e alegre, marcou diversas gerações de brasileirinhos, com sua mensagem de educação e cortesia. Mesmo aos 90 anos, Carequinha mantinha sua alma infantil e ingênua. Carequinha, nosso eterno ?bom menino". Maurício Sherman, diretor de Zorra Total, na Rede Globo - "Eu o conheço desde a TV Tupi, onde fizemos programas juntos. Depois cada um foi para seu lado e voltamos a nos encontrar na Rede Manchete, onde eu era diretor e o convidei para fazer um programa infantil. Na mesma época, por volta de 1983, a Xuxa estava começando e ele a convidou para gravar uma faixa no disco que estava lançando. Foi um gesto de generosidade, pouco comum entre artistas. Era uma pessoa maravilhosa e encantou gerações de crianças. É o último representante de uma geração de circo, que tinha uma simplicidade nobre. Não deixa herdeiros a televisão matou esse tipo de entretenimento, mas fez uma história. Elizabeth Savalla, atriz - "Ele era uma gracinha, importantíssimo para a minha geração. Quando cheguei no Rio, nos anos 70, ainda menina para fazer a novela Gabriela, ele me telefonou um dia para perguntar se éramos parentes, já que o sobrenome Savalla não é comum. Eu não sabia de qualquer parentesco, mas desde então nos consideramos parentes. Voltei a encontrá-lo várias vezes em programas de televisão ou na Igreja Messiânica, da qual também faço parte, e ele era sempre gentil e alegre. Ted Boy Marinho, lutador de Telecatch - "Foi um grande companheiro de cena e fora do palco. Conheci o Carequinha fazendo televisão, mas nos apresentamos muitas vezes pelo Brasil afora. Era ótimo colega, gentil e generoso, dentro e fora do palco. Tinha um jeito de representar que deixava todo mundo à vontade em cena e dava espaço para os colegas também brilharem". Hugo Possolo, diretor de teatro - "Carequinha teve um papel importante na divulgação do circo. Foi o precursor em um programa na TV, dando visibilidade à arte do picadeiro. Deixou uma importante história e abriu caminhos para novas gerações".

Agencia Estado,

05 de abril de 2006 | 13h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.