Artistas elegem o 'museu ideal' para celebrar Europa

Vinte e sete artistas da União Européia escolhem obras mais representativas do continente.

Márcia Bizzotto, BBC

15 Outubro 2007 | 07h45

Uma escadaria em Florença, pinturas feitas por homens da caverna e quadros de pintores renascentistas estão entre os escolhidos por alguns dos nomes mais respeitados da arte européia para comporem um 'museu imaginário' que celebra a diversidade da arte na Europa. A escolha foi feita por 27 artistas da União Européia - um de cada nacionalidade do bloco - escolhidos pela organização do evento. A cada um foi pedido "uma obra de arte que considera mais simbólica dentro da história" do continente. As obras do 'museu imaginário' são apresentadas em um vídeo, um dos principais destaques da Europalia, uma bienal de arte que ainda inclui uma série de eventos de artes plásticas, música, teatro, dança, literatura e cinema e que fica em cartaz em Bruxelas até fevereiro de 2008. O resultado é uma lista de obras e monumentos que, em alguns casos, não caberiam em um museu, mas "refletem os sentimentos e a experiência pessoal de cada artista", acreditam os organizadores. O escritor português José Saramago, por exemplo, elegeu a escadaria da Biblioteca Laurentina de Florença, na Itália, projetada por Michelangelo. "É preciso vê-la para acreditar que a perfeição absoluta existe. Foi a primeira vez que, vendo uma obra de arte, senti que meu corpo estremecia", explica em um relato emocionado. Para o cineasta espanhol Miquel Barceló, o "grande descobrimento artístico dos últimos séculos" são as pinturas rupestres da caverna de Chauvet, descoberta no sul da França a meados do século passado. "Esses desenhos saíram da mão de um mestre absoluto. Ele retrata leões que conhecia como nós conhecemos nossas namoradas", afirma o catalão, para quem as pinturas "são de um refinamento que faz pensar em Pisanello e no Renascimento". As declarações foram compiladas no idioma nativo de cada artista, no vídeo que integra O Grande Ateliê, uma das mostras da Europalia. A lista do 'museu imaginário' inclui a Arena de Verona, na Itália, escolhida pela soprano búlgara Rayna Kabaivanska, e o complexo monolítico Stonehenge, na Grã-Bretanha, favorito do diretor de filmes de animação estônio Priit Pärn. Entre os pintores, Caravaggio, Diego Velásquez e Piero della Francesca garantiram um lugar nessa seleção. Os dois primeiros foram eleitos pelo diretor de teatro britânico Declan Donnellan e pelo poeta esloveno Tomas Salamun, respectivamente. Della Francesca foi o único escolhido por dois artistas: o arquiteto italiano Gae Aulenti e o escritor irlandês John Banville. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.