Jean-Paul Pelissier / Reuters
Jean-Paul Pelissier / Reuters

Artistas da Ucrânia pedem ajuda ao país durante guerra

Nomes como Milla Jovovich, Oksana Lyniv e Olga Kurylenko usaram as redes sociais para divulgar links com doações

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2022 | 11h45

Os ataques da Rússia à Ucrânia que tem ocorrido nos últimos dias já resultaram em um processo protocolado contra os russos no Tribunal de Haia e no alerta máximo pelas forças de dissuação nuclear do país euro-asiático. Diante da gravidade da situação, diversos artistas ucranianos têm se manifestado nas redes sociais, inclusive nomes conhecidos pelo público global.

Milla Jovovich, atriz lembrada por protagonizar a sequência de filmes Resident Evil, escreveu: "Estou de coração partido e estupefata tentando processar os eventos desta semana na Ucrânia, lugar onde nasci. Meu país e meu povo sendo bombardeados. Amigos e família se escondendo. Meu sangue e minhas raízes vêm tanto da Ucrânia quanto da Rússia".

"Eu lembro da guerra na terra natal de meu pai, a antiga Iugoslávia, e as histórias que minha família conta sobre o trauma e o terror que experienciaram. Sempre a guerra. Os líderes não conseguem trazer paz. O eterno rolo compressor do imperialismo. E, como sempre, as pessoas pagam derramando sangue e lágrimas", concluiu.

A maestro Oksana Lyniv participou de um protesto na cidade de Bologna, na Itália, e fez uma série de demandas pedindo ajuda à Ucrânia em seu Instagram. Ela também regeu a orquestra no auditório Manzoni: "Nós vamos falar tão alto que o mundo inteiro vai nos ouvir! Deixe a música e a arte pedirem pela paz! Barber, Copland e Dvorak hoje, dedicados à luta na Ucrânia. Rezem por nós".

Olga Kurylenko, de Viúva Negra, 007 - Quantum of Solace e Hitman, publicou um story com um link para a Unicef dos Estados Unidos pedindo doações e a hashtag #HelpUkraine.

Já a atriz Vera Farmiga, de Invocação do Mal, Annabelle e Gavião Arqueiro, nasceu nos Estados Unidos, mas tem estreita ligação com a comunidade ucraniana por conta de seus pais, imigrantes da região. Ela publicou um texto escrito na língua ucraniana e também um link com formas para as pessoas auxiliarem financeiramente a Ucrânia no conflito.

Confira as postagens abaixo:

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.