Artistas da Europa e América participam de mostra no México

Uma exposição de obras de arte realizadas por artistas da Europa e da América contra os sistemas totalitários europeus de 1930 e 1945 e a favor das frentes populares, foi inaugurada hoje no Museu Nacional de Arte de Cidade do México (Munal).A curadora argentina da mostra, Diana Weschler, explicou que a exposição Territórios em Diálogo. Espanha, Argentina e México apresenta, em 149 obras, um diálogo estético-político baseado na história e recriado no presente. Ela destacou que um denominador comum nas gravuras, fotografias e pinturas dos 80 artistas que participam é "defender as liberdades, as democracias diante da emergência do stalinismo, do nacional-socialismo, do franquismo e do fascismo italiano".A exposição, que viajará pela Espanha e Argentina após sua exibição no México, abrange um período de 15 anos contados entre 1930 e 1945. "O período não é um acidente, é um tempo onde o debate artístico faz uma volta forte em direção ao debate, onde a autonomia artística se perdeu pelo avanço de uma posição política", indicou a argentina. Também chama a atenção na exposição, de acordo com a curadora, o "trânsito do realismo ao surrealismo, que os artistas manejaram e que, segundo a conjuntura, optaram por uma ou outra variante". A exposição está organizada em três núcleos temáticos: Entre a melancolia e o presságio expressa o período vivido entre a Guerra Civil espanhola (1936-1939) e a Segunda Guerra Mundial (1939-1945); Imagens para uma realidade complexa mostra a fotografia e a gravura juntas em um debate estético através das obras dos mexicanos Agustin Jiménez, Luis Márquez Romay e Lola Alvarez Bravo, junto com a dos argentinos Horacio Coppola e Lino Spilimbergo; e Entre imagens de emergência e percepções imaginárias, onde o público confere obras do mexicano David Alfaro Siqueiros ao lado das de Salvador Dali, Diego Rivera, Frida Kahlo e Spilimbergo. A exposição permanecerá aberta no México até 4 de junho e viajará depois ao Centro Cultural Recoleta de Buenos Aires e ao Museu Caraza de Córdoba, ambos na Argentina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.